Dunga reage com bom humor a piadas do 'Pânico na TV'

Ao ser questionado se continuaria na seleção após o duelo contra o Chile, técnico diz 'lógico que sim'

Sílvio Barsetti, O Estado de S. Paulo

03 de setembro de 2008 | 18h16

A equipe do programa Pânico na TV, da RedeTV!, esteve nesta quarta-feira na Granja Comary disposta a produzir algumas horas de descontração e a provocar ao máximo o técnico Dunga. O grupo ficou barrado no portão de acesso à concentração, mas um pequeno tumulto no local levou o próprio treinador a autorizar a entrada dos humoristas. Talvez Dunga não soubesse que ele seria a "vítima" preferida dos atores Rodrigo Scarpa, o Vesgo, e Sabrina Sato. Veja também: Brasil segue em sexto lugar no ranking da FifaDê seu palpite no Bolão Vip do Limão Logo na primeira oportunidade, atrás de um das balizas, Vesgo e Sabrina perceberam que Dunga se dirigia calmamente para o centro do gramado e não se contiveram. "Nossa, Dunga, você está tão triste, muito deprimido. O que houve?" A reação foi inesperada. Dunga sorriu e acenou para a dupla. Continuou a andar, e comentou algo com o auxiliar Jorginho, demonstrando bom humor. Não satisfeitos, os dois atores insistiram: "Dunga, você vai guardar esse calção da CBF de recordação?" Mais uma vez, nenhum gesto indelicado. O técnico parecia entender que a situação complicada da seleção também abre espaço para gozações. No treino da tarde, a apresentadora Sabrina Sato esperou Dunga passar pela zona mista - local restrito para entrevistas - e chamou o técnico. "Você fica chateado com tanta cobrança dos brasileiros?" Ele respondeu com tranqüilidade. "A crítica é normal." Sabrina tentou entregar ao treinador uma medalha, que simbolizaria o bronze dos Jogos de Pequim - somente os atletas receberam a honraria. Mas Dunga a recusou. "Você pretende continuar depois do jogo com o Chile", prosseguiu Sabrina, orientada pela produção a "apertar" Dunga. "Lógico que sim", devolveu o treinador, solícito e sorridente, e que ainda posou para fotos com os "algozes". Pouco antes, Júlio César foi outro que passou no teste de paciência com os atores da RedeTV!. No treino específico para goleiros, ele e Renan ficaram próximos dos visitantes e sobraram questões embaraçosas para o atleta da Internazionale. Ele não se deixou intimidar e até deu mais atenção do que devia para a dupla. Pelo menos na avaliação do treinador de goleiros, Wendell Ramalho. "Vamos lá, Júlio. Vamos trabalhar." Apesar da irritação de Wendell, o saldo do dia foi positivo para a seleção no quesito fair-play. Mas a um custo relativamente alto. "Deixar ou não deixar os caras entrarem e administrar cada passo deles, essas decisões não são fáceis. É um estresse só. Isso aqui é um barril de pólvora", reclamou o assessor de imprensa da CBF, Rodrigo Paiva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.