Mario Ruiz/EFE
Mario Ruiz/EFE

Dunga reconhece bom momento do Chile, mas minimiza peso de jogo

Treinador também afirma que Brasil não ficará apenas na defesa

ALMIR LEITE, O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2015 | 17h13

Ao contrário do técnico Jorge Sampaoli, que admitiu ser ruim começar as Eliminatórias justamente contra o Brasil, o técnico Dunga entende ser indiferente fazer a primeira partida contra o Chile. Ele lamenta o pouco tempo para preparar a equipe - apenas três treinos, somente dois com o elenco completo -, mas diz que escolher adversário é perda de tempo.

"A gente teria de jogar contra todos. Se não fosse agora, na quarta, na quinta rodada, uma hora teria de enfrentar. É claro que eles estão num bom momento, mas o que temos de fazer é ocupar os espaços e sermos competitivos", disse Dunga na tarde desta quarta-feira, antes do treino da seleção no estádio da Universidad Católica.

Mais uma fez o treinamento foi fechado e o treinador disse que não faz isso para manter mistério - apesar de não revelar o time que inicia a partida - e sim para facilitar a concentração dos jogadores. "Eles podem tentar as jogadas e não tem movimentação, barulho que possam distraí-los. No jogo o estádio está cheio, mas aí o clima é outro."

Dunga elogiou a equipe chilena, mas garantiu que o Brasil não se limitará a se defender na partida no Estádio Nacional. "O futebol moderno mostra que, se você ficar só se defendendo, não dá certo, porque uma hora o adversário vai te acertar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.