Dunga tenta formar a seleção brasileira sem Kaká

Técnico utilizará amistosos contra Canadá e Venezuela para testar novas formações táticas

Juliano Costa - Jornal da Tarde,

29 de maio de 2008 | 19h46

O técnico Dunga vai utilizar os amistosos contra Canadá e Venezuela, ambos nos Estados Unidos, para testar uma nova formação tática para a seleção brasileira sem Kaká. O meia-atacante do Milan, eleito o melhor jogador do mundo em 2007, sofreu uma artroscopia no joelho esquerdo na semana passada e pode ficar fora também dos jogos das Eliminatórias da Copa de 2010, contra Paraguai e Argentina, respectivamente nos dias 15 e 18 de junho.   Veja também:  Adriano quer formar ataque da seleção com Luís Fabiano Kaká foi operado na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, pelo médico da seleção brasileira, José Luís Runco, e tem feito tratamento no CT do São Paulo. A recuperação de casos como esse costuma ser rápida e, por isso, existe a esperança de que ele possa jogar nas Eliminatórias. Mas Dunga já pensa em alternativas.Apesar da presença de Runco na cirurgia e do apoio de Dunga - a cada entrevista, o treinador sempre elogia Kaká -, a operação do meia-atacante do Milan não foi bem vista por toda comissão técnica da seleção. O auxiliar técnico Jorginho, em entrevista antes de embarcar para Seattle, criticou o jogador por entender que ele acabou privilegiando o Milan em detrimento da seleção."Se há um problema, não se pode jogá-lo para frente porque ele vai crescer. O Kaká poderia ter resolvido isso antes", disse Jorginho, lembrando que o jogador já sentia dores no joelho há algum tempo. "A gente não sabe se ele vai jogar as Eliminatórias. Se ele não jogar, temos bons jogadores para desempenhar o papel dele, como Diego e Julio Baptista."Dunga ainda não se pronunciou sobre a escalação para o primeiro dos amistosos nos Estados Unidos, que acontecerá na noite de sábado, contra o Canadá, em Seattle. O treinador tem boas opções para suprir a ausência de Kaká. Além dos dois jogadores citados por Jorginho, ele pode ainda colocar Adriano no ataque, ao lado de Luís Fabiano (ou Alexandre Pato), e recuar Robinho para a armação das jogadas.O técnico pode também usar três volantes (Gilberto Silva, Josué e Mineiro), deixando Luís Fabiano de fora. Esse esquema teoricamente mais cauteloso não seria montado em função da qualidade técnica de Canadá e Venezuela, que figuram apenas na 62ª e 64ª posições do ranking da Fifa, respectivamente. Seria, na verdade, uma forma de preparar o time para os jogos contra Argentina e Paraguai, justamente as duas seleções que estão à frente do Brasil na classificação das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010.Outro desfalque importante é o meia-atacante Ronaldinho Gaúcho, que passou uma temporada conturbada no Barcelona, repleta de lesões, e não foi nem convocado por Dunga dessa vez.As próximas quatro partidas vão servir também para Dunga decidir os jogadores com mais de 23 anos que irão para a Olimpíada de Pequim, em agosto. Como o Milan já avisou que não vai liberar Kaká, os mais cotados são o goleiro Julio Cesar (Inter de Milão), o zagueiro Juan (Roma) e o atacante Robinho (Real Madrid).CHEGADADepois de uma longa viagem, a seleção brasileira desembarcou em Seattle no final da tarde desta quinta-feira. Dividida em dois vôos diferentes, a delegação deixou São Paulo na noite de quarta e fez escalas em cidades norte-americanas antes de chegar ao destino final.Como o vôo de Porto Alegre para São Paulo atrasou, o técnico Dunga não viajou com o restante do grupo - deixou a capital paulista apenas na manhã desta quinta-feira. Mesmo assim, ele deve treinar normalmente a seleção na tarde desta sexta, em Seattle, quando acontecerá o único trabalho de campo antes do amistoso.O Brasil enfrentará o Canadá na noite de sábado, em Seattle. Depois disso, a seleção continuará nos Estados Unidos, onde faz amistoso contra a Venezuela, no dia 6 de junho, na cidade de Boston.

Tudo o que sabemos sobre:
Seleção brasileiraDungaKaká

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.