Miguel Medina/ AFP Photo
Miguel Medina/ AFP Photo

Dunga vai testar novos jogadores em amistoso contra o Chile

Treinador confirma mudanças no time para avaliar reservas

Andrei Neto - correspondente em Paris, O Estado de S. Paulo

28 Março 2015 | 07h00

Dunga vai mudar a seleção brasileira no amistoso contra o Chile, amanhã, em Londres. O treinador já havia antecipado na noite de quinta-feira, após a vitória de virada contra a França, que pretende poupar alguns titulares e fazer mudanças na equipe para dar oportunidades a quem aguarda uma vaga no time. Outra preocupação é com o cansaço dos atletas, a maioria em fase final de campeonatos europeus.

“Vamos ter só dois dias até o próximo jogo, e eu vou mudar bastante o time”, revelou o técnico, sem, no entanto, dar pistas da equipe que pretende mandar a campo contra o Chile. “Ainda não pensamos em nomes. Vamos ver quem está mais ou menos desgastado. ”

Mesmo invicto há sete partidas e com uma base definida, Dunga deu a entender que ainda pretende fazer observações antes da convocação do grupo para a Copa América, em maio. O amistoso de domingo é a última oportunidade para testes em campo. “O comportamento dentro do grupo é importante. Cada um tem de esperar o momento de jogar, respeitar o colega’’, pregou, ressaltando seu mantra de disciplina e coesão.

Para Dunga, embora os resultados estejam sendo alcançados, a seleção ainda está longe dos objetivos que foram traçados. O técnico não falou claramente em suas entrevistas, mas dá a entender que o objetivo é formar uma equipe consistente não para a Copa América, e sim para a Copa do Mundo da Rússia, em 2018, quando o time terá de mostrar ao mundo que o 7 a 1 para a Alemanha foi um acidente grave - e apenas isso. “Estamos apenas no caminho’’, disse ele, em tom modesto. “O nosso objetivo hoje está muito longe de ser alcançado.”

Mas, escaldado pelas críticas recebidas quando era jogador e em sua primeira passagem como técnico, Dunga sabe que precisa vencer para blindar seu grupo. “Ganhar sempre é bom, dá tranquilidade”, frisou. “A seleção brasileira só tem uma opção: ganhar.”

Dunga comandou um treino fechado que teve a participação de Jefferson - a exceção, porque foi titular contra a França -, Diego Alves, Marcelo Grohe, Gil, Souza, Gabriel Paulista, Fernandinho, Marcelo, Philippe Coutinho, Douglas Costa, Robinho e Fabinho. Hoje, todos treinam às 15h (11h de Brasília), no estádio do Arsenal.

ELOGIOS

Na França, jogadores, técnico e imprensa elogiaram ontem a consistência do time de Dunga no Stade de France. Um dos destaques dos Bleus, o goleiro Steve Mandanda, que substituiu o titular, Hugo Lloris, atribuiu a derrota à postura da seleção. “Eles foram superiores, simplesmente isso. Foram muito sólidos na defesa, e ofensivamente também”, avaliou.

Mais conteúdo sobre:
Futebol, Seleção brasileira,

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.