Miguel Medina/ AFP Photo
Miguel Medina/ AFP Photo

Dunga vê objetivo longe e planeja mudar seleção brasileira

Treinador do Brasil fez seu sétimo jogo consecutivo com vitória

Andrei Netto, correspondente em Paris, O Estado de S. Paulo

26 Março 2015 | 20h14

No embate contra Didier Deschamps, técnico da França, Dunga levou a melhor e chegou ao sétimo jogo consecutivo com vitória, uma campanha de 100% desde seu retorno à Seleção Brasileira. Mas, sem entusiasmo, vê os objetivos ainda distantes. No próximo amistoso, contra o Chile, no domingo, em Londres, o técnico prepara uma equipe modificada para poupar os atletas e dar oportunidades a quem busca um lugar de titular.

Em entrevista após o jogo, Dunga estava sereno após a demonstração de força de seu time no Stade de France. Frisou em vários momentos não ter encarado o choque como uma revanche em relação ao 3 a 0 de 1998, mas sim como um desafio, por enfrentar uma equipe forte. "Não vejo como uma revanche, mas é sempre positivo ganhar de uma seleção forte como a da França", afirmou, tirando o peso da derrota do passado. "O que passou, passou. Criar uma atmosfera além do necessário acaba atrapalhando. O jogo contra a França fala por si, com grandes campeões de cada lado. Se colocar uma carga maior, acaba tendo efeito contrário."

Segundo o técnico, além de enfrentar um adversário forte, bem postado, a Seleção Brasileira ainda teve de enfrentar a falta de entrosamento, já que estava havia três meses sem treinar. "A equipe se mostrou bem, estava compacta, saiu para o jogo", elogiou, admitindo que teve de reposicionar a equipe para evitar os problemas com a bola parada, que atribuiu à qualidade do adversário, e não a falhas da defesa. Dunga também não entrou em avaliações individuais, limitando-se a citar nomes, como o de Firmino, que estreou como titular nesta quinta-feira.

Sobre o aproveitamento impecável nos amistosos desde que assumiu, após o fracasso da Copa do Mundo, Dunga elogiou o grupo que montou. "Não sou eu, são os jogadores que estão fazendo em campo", disse ele. "Estamos apenas no caminho. O nosso objetivo hoje está muito longe de ser tratado."

Chile. Para o jogo contra o Chile, no domingo, no Emirates Stadium, em Londres, Dunga pretende mandar a campo um time modificado, ainda que preservando a base. As mudanças levarão em conta o desgaste dos atletas, assim como a necessidade de dar oportunidades aos reservas. "Vamos ver quais jogadores estão mais ou menos desgastados. Mas não podemos trocar todos. Vamos manter uma base", garantiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.