Dupla de zaga vira bibelô de Juninho

Por não ter muito o que falar sobre o desempenho do ataque, o sistema defensivo do Corinthians tornou-se o bibelô do técnico Juninho Fonseca. A dupla de zagueiros Anderson e Marquinhos é elogiada o tempo todo. Além de não terem sofrido gols nas últimas duas partidas (empate por 0 a 0 com o União Barbarense, pelo Campeonato Paulista, e vitória sobre o Botafogo-PB por 2 a 0, na Copa do Brasil), foram eles os responsáveis pelos gols em João Pessoa. "Não há dúvida de que eles estão muito bem. Isso é resultado do entrosamento que já têm desde o ano passado", analisou o treinador. A dupla começou a trabalhar junta no final do primeiro semestre do ano passado, durante a disputa do Campeonato Brasileiro. Fábio Luciano, então titular, deixou o Parque São Jorge fascinado por uma proposta do futebol turco. "Durante esse tempo nós conseguimos nos conhecer melhor.Nosso rendimento lá atrás está bom e estamos tendo oportunidade de dar uma força também no ataque. Enquanto pudermos fazer isso, vamos ajudar", comentou Anderson. O moral dos zagueiros ficou evidente durante o período de contratações. O clube trouxe 12 novos atletas. Desses, apenas um, Váldson, é da posição. A dificuldades em acertar o meio-campo e o ataque também ajudaram a deixar a zaga em destaque. Juninho ainda não conseguiu colocar no campo o time que julga ideal. Conclusão: não há entrosamento. O esquema com três atacantes, por exemplo, foi testado duas vezes em jogos oficiais (já vinha sendo desenvolvido nos treinamentos). Acontece que, tanto diante do União Barbarense como frente o Botafogo-PB, nenhum homem de frente conseguiu marcar gols. Gil, que terminou a temporada 2003 em péssima fase, por enquanto não demonstrou qualquer tipo de evolução nesse início de ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.