Alessandro Di Marco / EFE
Alessandro Di Marco / EFE

Dybala rejeita comparações com Messi antes de jogo entre Juventus e Barcelona

Primeiro jogo com os atacantes em lados opostos ocorre nesta terça, pelas quartas da Liga dos Campeões

Estadao Conteudo

10 de abril de 2017 | 10h50

Há Paulo Dybala, e há Lionel Messi. Ambos jogam pela seleção da Argentina e são cruciais para os seus times, mas, a partir daí, o jogador da Juventus não quer mais comparações. "As pessoas devem saber que eu sou Dybala e quero continuar sendo assim", disse o jogador do time de Turim em entrevista ao jornal italiano La Repubblica.

"Eu entendo as comparações e expectativas sobre mim dos argentinos, mas eu não quero ser o novo Messi ou o Messi do futuro. Existe apenas uma Messi, como Maradona. Ninguém jamais me disse que eu sou seu herdeiro", acrescentou.

Dybala e Messi só jogaram juntos uma vez, na vitória da Argentina por 1 a 0 sobre o Uruguai em setembro, sendo que o jogador da Juventus foi expulso. Eles se enfrentarão pela primeira vez nesta terça-feira, quando a equipe italiana receberá o Barcelona para o jogo de ida das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa. "Eu realmente o admirava. Eu o respeito", disse Dybala. "Ele ganhou muitas Ligas dos Campeões. Eu ainda não ganhei nenhuma e estou sonhando com a primeira".

Adquirido pela Juventus junto ao Palermo em junho de 2015 por 32 milhões de euros (cerca de R$ 107 milhões, na cotação atual), Dybala tem se destacado pelo time desde então. O atacante, de 23 anos, vem negociando a renovação do seu contrato por mais um ano, até 2021, com um aumento salarial para encerrar especulações sobre uma possível transferência para o Barcelona ou outros gigantes do futebol europeu.

Dybala acumula 14 gols e sete assistências nesta temporada, se entendendo bem com Gonzalo Higuaín, que passou por um jejum de cinco jogos antes de marcar dois gols contra o Napoli, no jogo que classificou a Juventus à decisão da Copa da Itália, e mais duas vezes diante do Chievo Verona, no último sábado, pelo Campeonato Italiano. E esses dois últimos gols tiveram a participação direta de Dybala. "Com Gonzalo é como se nós jogássemos juntos há cinco anos", disse. "Em cada treino, tentamos nos conhecer melhor", acrescentou.

Agora, eles tentarão superar o Barcelona, que bateu a Juventus na decisão da Liga dos Campeões de 2015 e se classificou às quartas de final com uma impressionante goleada de 6 a 1 sobre o Paris Saint-Germain.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.