Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

É complicado repetir duas Copas

O técnico campeão aposta nos jogadores que ganharam com ele por pura gratidão. A Alemanha é um ótimo exemplo disso

Muricy Ramalho, ex-técnico

05 Julho 2018 | 04h00

Antes de a bola rolar na Rússia, o mundo estava de olho na Alemanha. E com razão. O time de Joachin Löw é o atual campeão mundial e tinha vencido a Copa das Confederações um ano antes. A Alemanha, no entanto, não foi nada do que todos imaginavam e caiu fora na primeira fase. Mas por que uma seleção que ganha a Copa não consegue repetir a façanha na Copa seguinte? O Brasil fez isso em 1958 e 1962 e nunca mais.

+ MAITÊ PROENÇA: Meu irmão negro

+ JOSÉ FUCS: Futebol sem coxinha e mortadela

+ Leia outros colunistas de Esportes

No meu modo de ver, isso não acontece porque o técnico campeão aposta nos jogadores que ganharam com ele por pura gratidão. A Alemanha é um ótimo exemplo disso. Löw trouxe para a Rússia atletas como Khedira, Müller e Özil, que foram campeões no Brasil quatro anos antes, mas que estavam totalmente fora de foco e de condicionamento físico. 

No caso da Alemanha, ainda houve outro problema. O time não mudou sua forma de atuar de uma Copa para outra. Não mudou nada. Assim, ficou mais previsível. Hoje em dia, todo mundo vê futebol o tempo todo. As seleções do grupo da Alemanha (México, Suécia e Coreia do Sul) estudaram sua forma de jogar. Na primeira fase, México e Coreia do Sul ganharam dos alemães. Não tiro os méritos dos vencedores, mas também entendo que a Alemanha facilitou demais.

O treinador é fundamental nesse processo de reformulação. Times ou seleções, quando ganham torneios importantes, tendem a se acomodar. Cabe então ao técnico tentar mudar a forma de a equipe trabalhar e jogar. O cara tem de fazer a cabeça dos jogadores, dizer a eles que o próximo campeonato é o mais importante. Não dá para sentar em cima do título.

 

O técnico é o maior responsável pelo fracasso. Alemanha e Espanha não se deram conta disso. Hierro assumiu o time espanhol por causa da demissão do Lopetegui dois dias antes de a Copa começar. Não pode ser responsabilizado por nada. A Espanha acreditou no seu toque de bola e isso não foi suficiente para fazer diferença contra a Rússia. O time foi “cozinhado” pelos russos e caiu fora da competição. Tanto o treinador da Alemanha quanto o da Espanha, por exemplo, não perceberam que tinham de mudar tática e mentalmente a maneira de jogar de seus respectivos times. O que estamos vendo nesta Copa é que o modelo de posse de bola sem intensidade não funciona mais.

Existe ainda uma dose de responsabilidade das federações que, na maioria dos países, assumem a seleção nacional. A AFA, que cuida do futebol argentino, trocou de técnicos três vezes. Isso é ruim, atrapalha, mas não pode ser desculpa única pelo fracasso da seleção na Copa. Sampaoli e Tite assumiram Argentina e Brasil, respectivamente, depois de trocas de comando. Tite teve mais tempo porque começou a trabalhar em 2016. Sampaoli foi chamado em 2017, portanto, pouco mais de um ano para o Mundial. A Argentina caiu nas oitavas.

Existe ainda outro ponto que uma seleção vencedora deve pensar para a competição seguinte, que é o lançamento de novos jogadores, de atletas jovens. A Alemanha, mais uma vez, me serve como exemplo. O time foi bem nas Confederações, ganhou o torneio, com alguns meninos, com um time jovem. Ganhou e jogou bem. Mas o técnico não teve coragem de colocar esses meninos para jogar na Copa. Um erro.

*MURICY RAMALHO, EX-TREINADOR E COMENTARISTA DO SPORTV

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.