Yuri Cortez/AFP
Yuri Cortez/AFP

'É o dedo do treinador', brinca Fernando Santos sobre a fase de Cristiano Ronaldo

Atacante do Real Madrid voltou a ser decisivo na vitória de Portugal sobre o Marrocos

Glauco de Pierri, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

20 Junho 2018 | 16h30

Fernando Santos, técnico da seleção de Portugal, estava tranquilo na entrevista coletiva após a partida. Até mesmo brincou, quando foi questionado sobre o explosivo desempenho do astro Cristiano Ronaldo na Rússia, que em três Copas anteriores havia marcado três gols e nesta edição já fez quatro, em apenas dois jogos. "Ele melhorou né? É o dedo do treinador", disse, rindo.

+ Cristiano Ronaldo assume artilharia da Copa e Portugal elimina o Marrocos

+ 'Não me preocupo com recordes', diz Cristiano Ronaldo após nova marca histórica

"Ele tem um grande treinador (risos). Obviamente que Cristiano sabe bem das suas capacidades, de sua qualidade técnica, estratégias. Cristiano ainda está em evolução. Sabe bem o que pode fazer em campo, o que não deve fazer, para não ser o mesmo de 3, 4 anos atrás. E daqui quatro anos ele não vai ser o mesmo de hoje", disse.

O técnico ficou meio irritado quando perguntado se "Cristiano Ronaldo não se sentia sozinho em campo na seleção portuguesa". "Como ele vai se sentir sozinho diante de 70 mil pessoas", ironizou. "Ele nunca joga sozinho, nunca está sozinho, não se sente sozinho. Ninguém joga sozinho. A questão é apenas que a equipe pode jogar mais e estar perto uns dos outros em outros jogos."

Fernando também falou sobre a arbitragem, e não entrou muito na onda das críticas ao juiz da partida, o norte-americano Mark Geiger - o técnico da seleção do Marrocos, o francês Herve Renard, havia afirmado momentos antes que o zagueiro português Pepe havia feito uma falta antes do gol de Cristiano Ronaldo. "Claro que não houve falta. O jogador do Marrocos é quem fez a falta no Pepe", disse.

 

Em relação ao jogo, o treinador português disse que a partida foi muito técnica. "Foi muito técnico, um jogo muito rápido. Tivemos posse de bola, marcamos um gol, que era o mais difícil da partida. A equipe não conseguiu controlar a bola no segundo tempo, corremos atrás dela e, quando você corre atrás, as coisas ficam difíceis", afirmou.

"O importante é conquistar os três pontos. O grupo só vai ser decidido na última rodada. Marrocos teve problemas com o Irã. Qualquer equipe vai ter essa dificuldade. Vamos nos preparar para jogar contra os iranianos", comentou o técnico, que também deixou claro que espera um desempenho mais constante dos seus comandados.

"A equipe vinha trabalhando bem, mas a seguir perde o controle, não consegue conectar passes e deixa a posse com o outro time. É inexplicável. Em alguns momentos, parece que perde a confiança com a bola, erra um, dois, três passes e não acerta mais. E uma equipe mais baixa, que não tem a mesma força física do adversário, precisa ter a bola", enfatizou.

Fernando também analisou a Copa até o momento. "O campeonato tem tido muitas surpresas. Algumas seleções favoritas não se apresentaram muito bem. Nenhuma equipe joga sozinha, não existe ganhar um jogo apenas com o nome. Todos têm muita qualidade, os treinadores trabalham bem, todos também possuem qualidades. Também temos que ver que a fase de grupos uma hora acaba, não é como um campeonato com 38 rodadas. Aqui é tudo diferente", finalizou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.