Reprodução/ Premiere
Reprodução/ Premiere

Edenilson, do Inter, presta queixa após acusar jogador do Corinthians de tê-lo chamado de ‘macaco’

Volante foi ouvido por agentes da Polícia Civil ainda no vestiário do Beira-Rio após o empate por 2 a 2 entre as equipes

Rodrigo Sampaio, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2022 | 22h36
Atualizado 14 de maio de 2022 | 23h50

O volante Edenilson, do Internacional, prestou depoimento à Polícia Civil ainda no vestiário do estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, após ter acusado o lateral-direito Rafael Ramos, do Corinthians, de tê-lo chamado de "macaco". A ofensa racista teria ocorrido durante o segundo tempo do empate entre as equipes, por 2 a 2, neste sábado, pelo Brasileirão

Em nota, o Inter confirmou a versão do jogador e lamentou o caso, afirmando ser "inadmissível" que casos deste tipo continuem ocorrendo ainda em 2022. "O Clube do Povo reitera que repudia todo e qualquer ato de preconceito e apoia o seu atleta", disse a agremiação colorada. 

Edenilson deixou o gramado do Beira-Rio sem falar com a imprensa, assim como os outros atletas do Internacional. Segundo o atacante Jô, do Corinthians, Ramos teria dito para ele que não havia chamado Edenilson de "macaco", mas sim de outro termo com sonoridade parecida. 

"O Rafa falou que não disse. Disse outra palavra no português de Portugal, que é diferente, não sei pronunciar e qual foi. Mas ele disse que não teve ofensa racista. Ficou todo mundo confuso, mas agora vamos ver o que aconteceu realmente. Ele falou que parecia, mas não podemos acusar alguém sem ter certeza", disse Jô. 

Roberto de Andrade, vice-presidente de futebol do Corinthians, também disse, a jornalistas na zona mista, que a situação não teria passado de um mal entendido. Porém, segundo o dirigente, o lateral na verdade teria dito "mano, caralh*" em vez de uma palavra usada em Portugal.

"Vamos esperar, acreditamos no que o Rafael disse. Edenílson pode ter entendido errado. Ele conversou com o Edenílson, disse que deve ter entendido errado", disse Andrade. "Não vamos julgar ninguém."

A acusação de racismo por parte de Edenilson aconteceu aos 30 minutos do segundo tempo. A partida ficou paralisada durante alguns minutos enquanto os jogadores de ambas as equipes batiam boca e tentavam apaziguar a situação. O placar já estava 2 a 2 naquele momento e seguiu assim até o fim do jogo, com Ramos sendo substituído logo após a confusão. 

O árbitro da partida, Braulio da Silva Machado, relatou o caso na súmula da partida e, segundo ele, deu continuidade ao jogo sem aplicar nenhum tipo de punição por não ter conseguido ouvir a ofensa no momento em que ela teria sido proferida, por causa do barulho da torcida e da distância que estava dos atletas. 

"Aos 31 minutos do 2º tempo, no momento em que a partida estava paralisada, fui informado pelo jogador nº 8, da equipe sc internacional, sr. edenilson andrade dos santos, que seu adversário nº 21, sr. rafael antônio figueiredo ramos, havia proferido as seguintes palavras para ele: "foda-se macaco". neste momento paraliso a partida e chamo os jogadores envolvidos para relatarem o que havia acontecido, sendo que o jogador edenilson andrade dos santos, confirma as palavras anteriormente citadas e o jogador rafael antônio figueiredo ramos, afirma que houve um mal entendido devido ao seu sotaque (português) e diz ter proferido as seguintes palavras" foda-se caralho". devido a distancia dos atletas e barulho da torcida nem eu, nem outro integrante da equipe de arbitragem consegue ouvir ou perceber qualquer das palavras acima citadas. então dou continuidade a partida", diz a súmula. 

Alessandro Barcellos, presidente do Internacional, disse à imprensa após a partida que Edenilson quis ouvir de Rafael Ramos um pedido de desculpas. Porém, ele decidiu prestar a queixa mesmo após a conversa porque o lateral se desculpou "por alguma possível" ofensa, mas não pelo termo racista. O Corinthians ainda não se pronunciou sobre o caso. 

'Eu sei o que ouvi'

No fim da noite deste sábado, Edenilson se manifestou sobre o ocorrido nas redes sociais. O volante do Internacional reafirmou que foi vítima, sim, de injúria por Rafael Ramos e ratificou a versão de que procurou Rafael Ramos para que ele se desculpasse pela ofensa, o que não ocorreu. O jogador também se desculpou pela maneira que reagiu, seguindo na partida, porque nunca havia vivenciado algo do tipo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.