Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Ederson torce pela permanência de Tite e nega 'vilões' na seleção

Goleiro do Manchester City fala sobre o futuro e defende Neymar e Fernandinho das críticas

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2018 | 07h00

De férias no Brasil após a disputa da Copa do Mundo, o goleiro Ederson espera que a eliminação da seleção nas quartas de final não seja motivo para mudanças na comissão técnica. Ele torce pela manutenção do técnico Tite e também sai em defesa de Neymar e Fernandinho

+ Em primeira aparição pós-Copa, Neymar diz ver exagero em críticas

+ Tímido, VAR encara primeira decisão para chegar ao futebol brasileiro

+ Fifa se diz 'extremamente satisfeita' com arbitragem da Copa e implantação do VAR

“Eu torço para que o Tite fique. Ele fez um bom trabalho, pegou a seleção em baixa e conseguiu reerguê-la. Ele provou que tem competência”, disse o goleiro, em entrevista exclusiva ao Estado, após participar de um jogo com amigos no CT do Osasco Audax, onde tem treinado para manter a forma física.

Companheiro de Fernandinho no Manchester City, o reserva de Alisson na Copa diz que é injusto culpar o volante ou Neymar pela eliminação diante da Bélgica. “Isso é coisa de torcedor, que sempre quer eleger um vilão. Todos nós perdemos, fomos superados por uma grande seleção. O Neymar é o craque do time e o Fernandinho já mostrou sua qualidade. Ele teve uma infelicidade no lance do gol contra, que poderia ter acontecido com qualquer um.”

Ederson aprovou a ida de Alisson para o Liverpool e deixa claro que pretende se manter na briga por um espaço na seleção. “Está nos meus planos jogar a Copa do Catar, pois ainda sou jovem (24 anos). Mas para chegar lá, preciso trabalhar e jogar bem nos próximos anos.” 

Durante a pelada com os amigos, Ederson mostrou categoria com a bola nos pés, algo que já foi até motivo de elogios de treinadores e do preparador de goleiros da seleção brasileira, Taffarel.  O goleiro já disse que gostaria de um dia atuar na linha em um jogo profissional, mas decidiu recuar da ideia. "Futebol hoje em dia não dá mais para fazer isso. Brincando, eu posso jogar na linha, mas profissionalmente é difícil", disse.

Tímido, o goleiro do Manchester City acabou protagonizando uma cena engraçada durante o Mundial. Na comemoração do gol de Philippe Coutinho diante da Costa Rica, reservas e membros da comissão técnica saíram correndo para comemorar o gol, quando Tite tropeçou após ser empurrado por Ederson. "Eu pedi desculpa. Foi na explosão, na emoção pelo gol. Foi uma fatalidade, mas no fim, felizmente não aconteceu nada e acabamos dando risada da cena. Além do mais, o Tite já estava caindo", justificou, sorrindo logo em seguida. 

Exemplo para os mais jovens

A presença na Copa fez de Ederson um exemplo para os garotos do Audax. “Ele é de Osasco, como nós. Vê-lo no City e em uma Copa dá uma motivação para acreditar que nós também podemos”, disse o goleiro Henrique Cucato, de 19 anos. “Legal treinar ao lado dele. Ele é nossa inspiração e um ponto de apoio para buscarmos algo a mais na vida”, afirmou o também goleiro Igor da Silva, de 18 anos. Ambos são do time sub-20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.