Edílson é bem aceito no São Caetano

O polêmico Edílson se apresentou no Estádio Anacleto Campanella, nesta terça-feira, como uma verdadeira incógnita. Aos 34 anos, o Capetinha é dono de um currículo invejável, mas de má fama como profissional. Afinal de contas ele será solução ou problema para o São Caetano dentro do Campeonato Brasileiro? O técnico Estevam Soares ficou animado após a conversa reservada que teve com o jogador nesta terça-feira cedo. "Ele (Edílson) me passou muita disposição e confiança, mostrando ser um homem de grupo e que está determinado a vencer no São Caetano como já fez em outros grandes clubes como Palmeiras e Corinthians", disse o técnico em tom de entusiasmo. O novo reforço também falou com animação em sua volta ao brasil depois de uma rápida passagem pelo futebol da Arábia Saudita. "É bom voltar ao Brasil e num clube forte, bem organizado". Ele realizou exames médicos pela manhã e à tarde participou da movimentação de 75 minutos comandada pela comissão técnica. Há 10 dias parado em Salvador (BA) ele reconhece que não está com ritmo de jogo, mas se colocou à disposição para enfrentar a líder Ponte Preta, sábado à noite, no ABC. "Vamos aguardar os treinos de quinta-feira para avaliar a real condição física dele. Alem disso, dependemos da liberação de sua inscrição", ponderou Estevam Soares. Outro reforço do clube é o meio campista Lúcio Flávio, que também retorna da Arábia Saudita, sendo esperado no clube nesta quarta-feira. Para fechar o elenco, Estevam acha ainda necessário um meia que use o pé direito "porque já temos três canhotos", no caso, Canindé, Anaílson e Élton. Após as derrotas para Santos e Internacional, o Azulão precisa se recuperar mesmo porque caiu bastante na tabela, ocupando a 11.ª posição, com 14 pontos. O time deve sofrer algumas mudanças, mas que são mantidas em sigilo pelo técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.