Edilson treina sozinho no Flamengo

Em uma demonstração de força, o atacante Edílson desrespeitou ordens da comissão técnica, irritou o treinador Zagallo, mas foi perdoado pela diretoria do Flamengo, que não o puniu. Na quinta-feira, após uma confusão com o goleiro Clemer, o jogador abandonou a concentração do time em Cachoeiras de Macacu, interior do Rio. Apesar de ter contrariado Zagallo, o atacante treinou, nesta sexta-feira, na Gávea e não voltou para se juntar aos outros jogadores.De manhã, o técnico não escondia a irritação com Edílson. "Foi uma indisciplina total e ele vai ter que ser punido", afirmou. Zagallo, no entanto, não foi atendido. À tarde, o atacante conversou com o vice-presidente de Futebol do clube, Walter Oaquim, e foi perdoado. "Ele comentou uma falha e se arrependeu", explicou o dirigente.O episódio que gerou o abandono de Edílson à concentração foi pouco depois de sua reapresentação, com três dias de atraso, na quinta-feira.Em uma brincadeira de outros jogadores, o atacante foi atingido por uma garrafa de água. Para dar o troco, Edílson urinou em copo e o jogou para trás, acertando o goleiro Clemer, com quem discutiu asperamente.Contrariado, Edílson abandonou a concentração, retornando ao Rio."Você está em grupo e sai sem pedir permissão tem de assumir a responsabilidade", pedia Zagallo. O discurso de Oaquim, no entanto, contrastava com as declarações do treinador. "Edílson preferiu vir para o Rio, mas é um jogador que tem contribuído muito", disse o condescendente dirigente.Há uma explicação para a sua atitude: os jogadores não recebem os salários há três meses, o que enfraquece a diretoria no momento em que precisa puni-los. Eles chegaram a ameaçar fazer uma greve. A única conseqüência da indisciplina pode ser a negociação do goleiro Clemer.

Agencia Estado,

15 de junho de 2001 | 18h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.