Edmílson curte dias de herói no Palmeiras

O gol que marcou contra o Sport (o segundo na vitória de virada por 2 a 1) e garantiu ao Palmeiras a conquista do título da Série B do Campeonato Brasileiro mudou radicalmente a rotina de Edmílson. O jogador, que até o meio da competição não passava de quinta opção do técnico Jair Picerni para o ataque, ganhou status de ídolo e já não consegue andar pelas ruas sem ser festejado pelos torcedores.Ontem, o JT o acompanhou durante o trajeto entre sua casa e o Shopping West Plaza, na zona oeste. Para cumprir os 500 m do percurso, Edmílson levou quase 40 minutos. Além dos inúmeros autógrafos que deu, recebeu convites para almoçar e até pedidos de empréstimo. Mas fez questão de dizer que está preparado para conviver com a fama. "Minha cabeça não vai mudar. Tive formação sólida na infância. É claro que o gol que marquei contra o Sport foi muito importante, mas sei separar as coisas; meu pensamento sempre esteve voltado para ajudar o grupo. Além disso, eu sempre falo para os meus amigos me avisarem se algum dia eu me deixar influenciar pela fama e não perceber."Temerosa em perder o atacante para o futebol europeu, a Diretoria do Palmeiras já se mexe para prorrogar seu contrato, que vence em janeiro de 2006. Ontem, após uma reunião com o diretor de Futebol Mário Gianini, Edmílson recebeu a promessa de que receberá uma casa como parte do pagamento das luvas do novo vínculo, que deverá ser assinado até 2008. Mas o jogador deixou claro que, apesar do carinho da torcida, chegou o momento de se valorizar. "Eu não gosto de falar sobre dinheiro, mas não me contentarei apenas com a casa. Quero um reajuste salarial que venha a premiar o meu esforço pelos cinco anos de dedicação ao clube."O novo ídolo do Palmeiras ressaltou a necessidade de a diretoria investir nas categorias de base. "Basta pegar esse time do Palmeiras que foi campeão para constatar que pelo menos dez jogadores subiram dos juniores. Seria bom que cada vez mais os jovens tivessem chance de fazer história, já que tradicionalmente o clube sempre preferiu investir na contratação de nomes consagrados."A torcida reconhece a dedicação de Edmílson e pede sua permanência no Parque Antártica. "Ele foi muito importante taticamente durante a Série B", opina Evandro Alves da Silva, que não se importou em perder o ônibus que o levaria até sua casa, no Jardim Arpoador, apenas para bater um papo com o ídolo.Agora, Edmílson só pensa em viajar para Salvador e curtir as férias com os pais. E esquecer definitivamente da época em que nem sequer era relacionado para se concentrar com o grupo. "Fui muito incentivado pela família e pelo meu procurador (Ico Martins) a não desistir. Muitas vezes eu imaginava que deveria jogar de qualquer forma, mas as coisas não são bem assim. Agradeço ao Picerni por ter me dado uma seqüência de jogos. Jogador que atua de vez em quando, dificilmente pega o ritmo ideal."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.