Edmundo diz que já é do São Paulo

Logo depois de garantir o seu passe na Justiça Trabalhista, nesta terça-feira, conseguindo se desvincular do Vasco, Edmundo anunciou que já acertou a sua transferência para o São Paulo, com quem deve assinar contrato até o fim da semana. "Tenho um acordo com o presidente do São Paulo, Paulo Amaral. Agora, é só botar no papel", revelou o atacante.Se for confirmada, a ida do atacante para o São Paulo acontece após duas negociações frustradas, em 1996 e 2000. Edmundo também conseguiria uma fato raro no futebol paulista: jogar pelos quatro clubes grandes. Ele já esteve no Santos, Corinthians e Palmeiras e agora, pode repetir o feito de Müller, Neto e Cláudio Cristóvão Pinho.Segundo Edmundo, a única pendência para a sua contratação era o fato de o seu passe ainda estar preso ao Vasco, o que foi resolvido nesta terça-feira, em decisão da Justiça. O juiz da 54ª Vara de Conciliação e Julgamento do Tribunal Regional do Trabalho, Otávio Amaro, foi quem atendeu a recurso do jogador, liberando o seu passe. O Vasco já prometeu recorrer. Ainda na noite desta terça-feira, Edmundo contou que seus advogados tentavam enviar, por fax, uma cópia da decisão judicial à diretoria do São Paulo, que exigia o documento para fechar o acordo. O jogador, que já se encontrou duas vezes com Paulo Amaral, deve se reunir com o presidente na quinta-feira, ou no máximo sexta-feira, para assinar o compromisso com o clube do Morumbi.Esta é a última formalidade para Edmundo concretizar uma transferência que já foi ensaiada duas vezes. "Já cheguei até a vestir a camisa e dava para trás. Tem de ser agora, se não nunca mais jogo lá", brincou. Em 1996, o atacante assinou um pré-contrato com o São Paulo, mas retornou ao Vasco. Quatro anos depois, ele quase foi para o Morumbi novamente, mas o Santos venceu a disputa.Dessa vez, Edmundo garantiu que irá abrir mão de muito dinheiro para atuar pelo São Paulo. "Vou ganhar 25% ou 30% do que ganhava no Napoli", explicou. Estima-se que o seu salário no clube italiano era de US$ 450 mil. A intenção do atacante, ao aceitar uma proposta inferior, é voltar ao Brasil e lutar por uma vaga na seleção brasileira. "Dinheiro não é importante. Quero apostar um pouco em mim", justificou. "Quero disputar a Copa do Mundo." Pelo que disse ter acertado com a diretoria do São Paulo, o atacante fica no clube até o fim do ano, período em que disputará o Campeonato Brasileiro e a Copa Mercosul. Depois de ter acompanhando as últimas atuação do time, Edmundo acredita que o Tricolor paulista tem condições de lutar pelo título nacional. "A equipe tem uma boa espinha dorsal e o presidente está armando um time forte", disse ele, lembrando da contratação do meia Leonardo e do assédio ao zagueiro Júnior Baiano.Sobre o técnico Nelsinho Batista, Edmundo foi sucinto: "Já tem um ponto positivo, pois ele aprovou minha contratação." O atacante afirmou que tem treinado em uma academia de ginástica para manter a forma física, mas reconhece que está sem ritmo de jogo - a última vez que atuou foi no dia 17 de maio, pelo Napoli. Antes do clube italiano, ele teve uma passagem fracassada pelo Santos. "Já chegou a hora de parar de rodar", reconheceu Edmundo, acrescentando que, depois do Mundial de 2002, pretende voltar à Itália.Vasco - Edmundo disse que recorreu à Justiça porque o presidente do clube, Eurico Miranda, se recusava a negociar o seu passe, ao mesmo tempo que o impedia de atuar na equipe carioca. "Não tive outra solução", justificou. Ele lembrou ainda que a diretoria vascaína, além de não pagar os salários, se recusava a dar explicações. "O problema é a maneira como tudo acontece", disparou o atacante, mas sempre evitando críticas diretas a Eurico.Com a ação na Justiça, Edmundo ainda garantiu o direito de receber todo o dinheiro que o clube lhe devia: cerca de R$ 15 milhões. Este valor refere-se a sete meses de salários atrasados, 15 meses de direitos de imagem, Fundo de Garantia Sobre Tempo de Serviço (FGTS) e 13º salário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.