Edmundo: escândalos e títulos no Fla

O presidente cassado do Flamengo, Edmundo Santos Silva, é um empresário bem-sucedido e conhecido no mercado brasileiro. Já a sua administração no clube carioca, além dos títulos conquistados, se tornou polêmica por causa das várias acusações que sofreu, dentre elas, a de improbidade administrativa.Edmundo Santos Silva assumiu a presidência do Flamengo em janeiro de 1999. Na eleição, derrotou Márcio Braga, que foi um dos principais responsáveis pelo movimento que levou a seu impeachment, decidido na madrugada desta terça-feira. A vergonhosa e tumultuada cassação de Edmundo foi marcada pela esmagadora votação de 530 conselheiros do clube a favor de sua saída, do total de 568 votantes.O pleito está sob júdice, porque na hora em que a votação começou, o quorum mínimo necessário era inferior a um terço de 1.703. Antes de seu afastamento, Edmundo Santos Silva afirmou que se fosse cassado iria recorrer da decisão. Procurado pelo Agência Estado, nesta terça-feira, o dirigente mandou avisar, através de sua assessoria, que só irá pronunciar na quarta.Os questionamentos à administração de Edmundo Santos Silva começaram com a assinatura da parceria com a empresa suíça de marketing esportivo International Sports License (ISL), que foi cercada de incertezas e acabou se revelando um fracasso. O contrato foi celebrado em dezembro de 1999, após muita discussão e acusações de que o dirigente estaria "forçando" a aprovação sem a devida apreciação do Conselho Deliberativo.A ISL se comprometia a pagar US$ 80 milhões de dólares nos 15 anos de parceria, além de investir na construção de um estádio. Em março de 2001, o clube rescindiu o contrato com a empresa, que havia decretado falência.Em apenas seis meses de parceria com a ISL, Edmundo Santos Silva acabou gastando grande parte dos US$ 80 milhões na contratação de jogadores. A compra dos passes do meia Petkovic e do volante Mozart foram consideradas suspeitas. O sérvio foi contratado junto ao Venezia (Itália) por US$ 6,5 milhões, em janeiro de 2000, mas cinco meses depois ficou comprovado que parte do dinheiro havia sido depositado em paraísos fiscais. Esse foi o primeiro escândalo da sua gestão.Já a contratação de Mozart, em fevereiro de 2000, foi anunciada duas vezes. Isto porque a diretoria do Flamengo anunciou a compra do passe do jogador, na época do Coritiba e que estava com a seleção pré-olímpica, por US$ 7,5 milhões. Porém, houve reclamações dentro do clube e Edmundo Santos Silva revelou que só havia pago US$ 3,5 milhões e que mentira para ajudar o clube paranaense. O dirigente acabou não pagando pela compra de Mozart e a administração flamenguista ficou sem poder usar talões de cheque por causa da inadimplência.Em agosto de 2001, Edmundo Santos Silva depôs pela primeira vez na CPI do Senado, quando chegou até a chorar. Nesse depoimento, o dirigente revelou a existência de uma conta nas Ilhas Cayman, famoso paraíso fiscal, sem registro no Banco Central. Ele não conseguiu comprovar que o dinheiro da conta havia voltado para o clube. O relatório da Comissão foi aprovado em dezembro de 2001, com cinco pedidos de indiciamentos para o então presidente do Flamengo: falso testemunho, no caso Petkovic; lavagem de dinheiro; apropriação indébita; sonegação fiscal e evasão de divisas.O mais recente escândalo da gestão Edmundo Santos Silva foi a contratação do zagueiro Valnei. O Flamengo contratou o jogador por R$ 1,25 milhão e pagou adiantado R$ 400 mil ao Grapiúna, da Bahia. Porém, os direitos do atleta pertenciam ao Santa Cruz e os dirigentes do clube baiano dizem que não receberam nenhuma quantia. Pressionada, a diretoria flamenguista revelou que ter pago apenas R$ 400 mil, mas não disse para quem.Outra polêmica na administração de Edmundo Santos Silva envolveu a parceria com o senador cassado Luís Estevão, dono do Brasiliense. O Flamengo cedeu vários jogadores para o clube de Brasília a preços baixos e não conseguiu, por exemplo, a contratação do meia Wellington Dias. Além disso, vendeu o atacante Edmílson por R$ 17 mil e depois o contratou por empréstimo, com salários de R$ 6 mil.Apesar das críticas e dos escândalos, Edmundo Santos Silva é um dos presidentes mais vitoriosos do Flamengo. Sob sua administração, o clube foi tricampeão carioca (1999, 2000 e 2001) pela terceira vez na história, campeão da Copa Mercosul, em dezembro de 1999, e da Copa dos Campeões, em junho do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.