Edmundo pode ficar sem carnaval

Edmundo vai sentir no bolso e na pele as consequências dos gestos de impaciência e dos palavrões que soltou ao ser substituído no segundo tempo da partida do Napoli com a Internazionale, na noite de domingo. Ao deixar o campo, pouco depois de o brasileiro Matuzalem ter marcado o gol da vitória de 1 a 0, o ex-atacante do Vasco descarregou irritação em cima do técnico Emiliano Mondonico. Como agravante, foi embora do Estádio San Paolo antes do fim do jogo.O descontrole pode significar até R$ 300 mil a menos no salário que Edmundo receberá no final do mês, além de brecar seu plano de brincar o carnaval no Rio. A quantia é o valor máximo da multa - 30% de rendimentos brutos - que o Napoli tem direito de sugerir como punição a jogador que desrespeite as normas internas de conduta.A decisão, porém, fica por conta do Colégio Arbitral da Liga Italiana. A entidade reúne-se durante a semana, recebe relatório do Napoli e, com base no que estiver no documento, fixa o valor da multa. Há quem arrisque que não deva passar de "apenas" R$ 50 mil - quase uma pechincha para quem recebe R$ 900 mil mensais. A diretoria do Napoli pode reclamar, oficialmente, mas como jogo de cena. Na prática, vai ficar satisfeita, porque terá mostrado rigor com indisciplina. Edmundo também deve aceitar o que for definido pelo Colégio Arbitral e, para limpar a barra, ainda pedirá desculpas ao treinador.Mas ele não deve dar explicações públicas. O atacante falava muito pouco com a imprensa italiana, desde que havia chegado ao país, no começo de janeiro, e agora ficou mudo de vez. Na semana passada, Edmundo irritou-se com uma manchete da edição napolitana do La Repubblica e decidiu que o melhor era ficar de boca fechada. Exemplo seguido, desde sexta-feira, pelo restante do elenco do Napoli e por Mondonico. São os famigerados "silenzi stampa", tão comuns entre os atletas italianos quando se sentem prejudicados. A moda começou na Copa de 82, deu certo - a Itália foi campeã - e tem sido imitada.Mondonico deve aceitar a retratação de Edmundo, mas ficou irritado com a reação do atleta. O técnico justificou a substituição como necessidade estratégica. Matuzalém foi expulso ao comemorar o gol, porque tirou a camisa (já tinha amarelo) e a saída foi abrir mão de um atacante e colocar um volante - Edmundo era a primeira opção e seu desempenho, discreto até aquele momento."Nosso campeonato é desgastante e certas atitudes devem ser compreendidas", afirmou nesta segunda-feira Alessandro Altobelli, atacante da Inter nos anos 80 e atualmente procurador de Edmundo. "São vários os casos de estresse", ponderou. O ex-jogador, campeão do mundo de 82, garantiu também que seu amigo e cliente não vai abandonar o Napoli, como fez em 99 com a Fiorentina, nem virá ao Brasil para o carnaval, como estava previsto em contrato. "Ele ficará treinando e vai jogar contra o Bologna no final de semana." Palavra do procurador, mas não do Edmundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.