Edmundo prega paz com Romário em seu retorno ao Vasco

Emocionado, atacante diz que respeita hierarquia do clube e espera dar alegrias à torcida cruzmaltina

21 de janeiro de 2008 | 19h56

Apresentado pela diretoria do Vasco, nesta segunda-feira, como o grande reforço do time para a atual temporada, Edmundo deixou claro que não existe rixa alguma com Romário, que é o técnico da equipe, mas que cumpre suspensão pelo uso da substância Finasterida, encontrada em tônicos capilares. Veja também: Vasco da Gama acerta o retorno do atacante EdmundoDe acordo com Edmundo, a hierarquia no Vasco da Gama será respeitada. "Eu respeito muito a hierarquia e acredito nas pessoas com quem eu trabalho, e certamente eu vou respeitá-lo [Romário] bastante, como meu treinador", disse Edmundo, que concluiu. "Espero que a gente possa tirar a má impressão que ficou com o tempo. Eu espero que possamos ser amigos e eu possa ajudá-lo no máximo possível para que ele seja um ótimo treinador, assim como foi jogador", disse Edmundo, esquecendo-se de que Romário ainda tem planos de continuar jogando pelo Vasco nesta temporada.Edmundo também confessou que foi Romário quem pediu sua contratação para o presidente do clube, Eurico Miranda. "Eu realmente fiquei empolgado em voltar ao clube que eu torço quando soube, através do doutor Eurico, que a primeira pessoa que falou meu nome para retornar ao Vasco foi o Edmundo. Isso mostra que, apesar de tudo, o carinho e a admiração existem."O RETORNOEmpolgado e emocionado com o acerto, Edmundo pediu calma à torcida do Vasco, que viu sua equipe perder por 2 a 1 para o Madureira na estréia do Campeonato Carioca. "É preciso ter paciência, e quero aproveitar o momento para pedir calma à torcida. Muitos jogadores deixaram o clube e outros chegaram. Em tempo o time se acertará e dará muitas alegrias."Sobre seu retorno aos gramados, Edmundo acredita que isto será possível dentro de, no máximo, três semanas. "Eu tive algumas lesões no passado e isto atrapalhou muito, mas eu já conversei com o doutor Pedro [Valente, vice-presidente médico do clube] e sei que posso voltar a jogar muito bem. Em duas ou três semanas eu estarei pronto", disse o jogador, que deve utilizar a camisa 10.O ex-atacante do Palmeiras  aceitou a proposta da diretoria cruzmaltina de pagar a dívida de R$ 7 milhões em parcelas mensais durante um período de até dez anos e fechou contrato por um ano. "Edmundo não volta por pressão de A, B ou C. Torcida não paga conta", afirmou Eurico, que atacou o candidato de oposição à presidência do Vasco, Roberto Dinamite, a quem acusou de tentar vetar a contratação de Edmundo.  "A oposição ligou para os procuradores do atacante pedindo que ele não viesse para o Vasco",  disse, elevando o tom da voz.  "Politicamente, ele (Roberto Dinamite) nunca foi nada do Vasco.  Nunca ocupou um cargo".  Por meio de sua assessoria, Dinamite se defendeu. "É estranho a atual diretoria culpar a oposição pelos problemas do Vasco. Sou a favor da contratação de grandes jogadores porque o time precisa. O Edmundo é um craque e grande vascaíno. Só vai fazer bem ao clube." Ele não parou por aí.  "Mas quem compra e vende é a diretoria interina que está lá. Quem diz que é interina é a Justiça e não a oposição. Eu como vascaíno torço para que o clube faça bonito este ano" (com Bruno Lousada)

Tudo o que sabemos sobre:
Estadual do RioVasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.