Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Edson Silva comemora evolução da defesa do São Paulo

Time é o menos vazado do segundo turno, com sete gols em 11 jogos

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

22 de outubro de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Atribuir a escalada do São Paulo na tabela do Campeonato Brasileiro apenas à mudança de atitude dos jogadores seria não olhar atentamente aos números deste segundo turno. Na difícil vitória sobre o Bahia no último domingo, o Tricolor atingiu quatro jogos sem ser vazado e a defesa se consagrou como a melhor do segundo turno ao lado do Atlético-MG: são apenas sete gols sofridos em 11 partidas. O Tricolor é a terceira melhor defesa da competição, com 26 tentos sofridos, também empatado com os mineiros.

Para os jogadores de defesa, a marca deve ser comemorada entre todos. O esforço se inicia ainda no campo de ataque como os homens de frente fazendo marcação pressão sobre os defensores rivais. Outro ponto que mudou, analisam, é o aumento da concentração aos detalhes.

“O time não se faz só na defesa, não se pensa o jogo assim. A atenção melhorou muito, a concentração aumentou. O detalhe faz a diferença e está todo mundo atento a isso, por isso acho que estamos evoluindo”, afirmou Edson Silva, que virou titular justamente no período que o Tricolor parou de sofrer gols.

A defesa passou por maus bocados nesta temporada. A dupla titular do ano passado formada por Rafael Toloi e Rhodolfo foi desfeita para acomodar Lúcio, contratado como "reforço de peso". Depois de ver o pentacampeão se transformar num mico, o time demorou para se acertar e só conseguiu equilíbrio quando Muricy Ramalho chegou e implementou o sistema com três zagueiros - sendo Paulo Miranda um "falso" lateral-direito.

Preocupados com a possibilidade de uma renovação do elenco e uma possível saída do clube, os jogadores agora comemoram o bom momento e acreditam que a sequência prove o valor para torcida e diretoria.

“O grupo todo está feliz. Estamos dando a vida dentro de campo e estamos conseguindo as vitórias, como aconteceu nessa contra o Bahia que foi uma verdadeira guerra. Por isso estamos felizes.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.