Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Eduardo Baptista admite barrar Borja, mas o elogia: 'Diamante a ser lapidado'

Atacante colombiano pode perder lugar para Willian contra o Jorge Wilstermann

Estadão Conteúdo

01 Maio 2017 | 14h42

Os dias de Miguel Borja como titular do Palmeiras podem estar contados. O colombiano treinou entre os reservas durante parte da atividade desta segunda-feira e pode perder para Willian a posição diante do Jorge Wilstermann, na quarta, na Bolívia, pela Libertadores. Mas isso não significa que o atacante esteja sem moral com o técnico Eduardo Baptista.

"Com o Borja, é preciso ter paciência. É um diamante a ser lapidado", considerou. "Estamos dando chance a todos, para colocar o que vive o melhor momento. É um jogador neste processo de adaptação. Eu às vezes me cobro por cobrar demais ele, mas está com a família chegando, em um país diferente... É um menino que vai dar a resposta. Estamos trabalhando para ele fazer o gol, sem pressionar."

Borja foi bastante criticado nos últimos jogos pelos gols perdidos e inclusive saiu vaiado de campo na semifinal do Campeonato Paulista, contra a Ponte Preta. A fase do atacante neste início de trajetória no Palmeiras não é das melhores, mas Eduardo fez questão de condicioná-la à adaptação do colombiano e explicou que já viu evolução em seu futebol.

"Somos muito apressados no Brasil. O sul-americano é quente. Na Europa, temos muitos atletas que saem daqui em alto nível e lá demoram para responder. O Gabriel Jesus é fora da curva, chegou e arrebentou. O Borja é um menino jovem, de um futebol diferente. Está se adaptando, evoluiu bastante. Vejo contra o Peñarol uma evolução dele, participou dos gols", afirmou o treinador.

Sobre o confronto contra o Peñarol, aliás, o treinador palmeirense explicou sua reação intempestiva na entrevista após a virada heroica e a vitória por 3 a 2. Nesta segunda, ele falou sobre o desabafo da quarta passada, ainda no Uruguai, quando disparou contra parte da imprensa, chegou a bater na mesa e esbravejou durante a coletiva.

"Agora é página virada. Sou um cara do bem. Zerou. Precisava fazer isso. Agora, quero apenas focar daqui para frente", disse. "Quero estar sempre o mais equilibrado possível. Foi uma decisão minha, sou um cara muito correto e honesto. Procuro fazer as coisas certas, mas quando machuca o homem, é complicado."

Mais conteúdo sobre:
futebol Palmeiras Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.