Gustavo Garello/AP
Gustavo Garello/AP

Eduardo Baptista enaltece elenco do Palmeiras após vitória em clássico

Técnico alviverde vê equipe 'sem divisão entre titulares e reservas'

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2017 | 20h34

O técnico Eduardo Baptista enalteceu o grupo do Palmeiras após a vitória no clássico sobre o São Paulo, neste sábado, por 3 a 0, pelo Campeonato Paulista. O treinador festejou o resultado e reconheceu que a vontade e a superação de seus atletas foram determinantes para o triunfo no Allianz Parque. "Falo da coragem dos meus jogadores. Nós adiantamos a marcação, o que poderia ser um risco, e neutralizamos o que o São Paulo tem de melhor", disse.

Desde o primeiro minuto da partida, o Palmeiras fez uma marcação pressão na saída de bola e quase não deixou o adversário respirar. No início, os jogadores do São Paulo conseguiram tocar bem a bola, mas aos poucos foram cometendo erros até no final da etapa perderem a bola que culminou no gol de Dudu.

"Nós estudamos o São Paulo. A jogada do nosso primeiro gol foi conversada na preleção, que poderíamos tentar roubar a bola. Falamos que eles viriam para jogar. Adiantamos a nossa marcação e conseguimos. Esse foi o ponto. Estudar para fazer um grande jogo", comentou o treinador.

Agora ele já começa a preparar a equipe para o duelo contra o Jorge Wilstermann, na quarta, pela Copa Libertadores. Alguns jogadores devem retornar ao time, como o volante Felipe Melo, que estava suspenso no campeonato estadual. Outro que deve começar como titular é o lateral-direito Jean enquanto Edu Dracena ocupará a vaga do suspenso Vitor Hugo.

Para Eduardo Baptista, o elenco é tão forte que não há divisão entre titulares e reservas. "Quem falou que Michel é titular? E Thiago Santos? Edu Dracena? Mina? Temos elenco muito forte e temos dado oportunidade a todos. O Palmeiras traçou um plano para chegar em todas as competições e começamos a ter sucesso. Você sai de um jogo pesado na Argentina e dois dias depois tem um clássico, então você mexe com o elenco", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.