JF DIorio/Estadão
JF DIorio/Estadão

Eduardo Baptista promete Palmeiras ligado e refeito após derrota para a Ponte

Time faz a segunda partida da semifinal do Paulistão neste sábado precisando vencer por três gols de diferença

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2017 | 13h07

O técnico Eduardo Baptista promete um Palmeiras ligado o tempo todo na partida desta noite com a Ponte Preta. Ele teve uma semana para trabalhar com o elenco, em treinos fechados para a imprensa, e se mostrou otimista com o redimento do grupo, sobretudo porque, segundo ele, os próprios jogadores aceitaram a fraca atuação que tiveram em Campinas, quando o time perdeu por 3 a 0.

Veja os principais trechos da entrevista dada pelo treinador na Academia de futebol, após o treino desta sexta-feira, último antes da partida de volta da semifinal do Paulistão.

1. Como está o ânimo do grupo para o jogo decisivo?

A grande mostra de que é possível reverter foi dada logo após a partida em Campinas. Houve passividade (em aceitar o domínio da Ponte) de todos, eles sentiram e se cobraram. Sentiram que as coisas não aconteceram. Só esse reconhecimento já foi bom.

2. O que te faz acreditar na virada contra a Ponte?

Contra o Santos, na Vila Belmiro, viramos o jogo no fim. Na Libertadores, fizemos jogos com gols nos últimos instantes, mais aquele empate contra o Tucumán com um jogador a menos. Tivemos um jogo excelente contra o São Paulo. Não é preciso buscar muito longe. Mas vamos ter equilíbrio, porque para fazer 3 a 0, tem de fazer o primeiro gol antes.

3. Como você trabalhou o psicológico do time?

Não sei fazer preleções em que os atletas choram. Sou um cara mais da prática. Mostramos ao time os 20 primeiros minutos do segundo tempo contra o Peñarol, para destacar o quanto marcamos em cima e fomos rápidos. A gente conta com um torcedor empolgante. Talvez pela nossa derrota, ele tem nos apoiado até mais do que antes.

4. Qual será a postura?

Temos treinado e procurado intensidade nos 20 primeiros minutos por estarmos mais descansados. Vamos marcar em cima, agredir, para que a gente consiga fazer o resultado. Se não sair o gol no início, temos de ter tranquilidade para construir o placar. Pode até acontecer de não nos classificarmos para a decisão, mas a postura que vamos ter vai dar bastante orgulho para o torcedor palmeirense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.