Vitor Silva/Divulgação
Vitor Silva/Divulgação

Eduardo Hungaro valoriza reação e a 'força mental' em virada do Botafogo

Técnico elogia a postura da equipe na complicada vitória por 2 a 1 sobre o Duque de Caxias

AE, Agência Estado

17 de fevereiro de 2014 | 11h38

RIO - A persistência do Botafogo nos minutos finais da partida contra o Duque de Caixas, na noite de domingo, foi exaltado pelo treinador Eduardo Hungaro. Para o técnico, a "força mental" demonstrada pela equipe deverá ser útil também na disputa da Copa Libertadores.

"Levaremos essa lição de ter força mental. Tomamos um gol na parte final do jogo, mas a equipe suportou esse tipo de situação e entendeu como tinha que se posicionar taticamente", comentou o treinador, referindo-se aos gols de Ferreyra, aos 37, e Jorge Wagner, aos 44 minutos do segundo tempo. Dória, contra, havia inaugurado o placar aos 32.

"Os jogadores souberam atuar dessa maneira porque nós temos treinado essas situações. Pode ser que na Libertadores isso se repita e haja a necessidade de uma vitória mental", declarou o treinador - o Botafogo volta a campo pela Libertadores no dia 26 para enfrentar o Unión Española, do Chile.

Para Hungaro, a vitória de virada só foi possível graças a mudanças na equipe. "O Lodeiro merecia a substituição no segundo tempo. Nós precisávamos ganhar o lado do campo, e o Junior Cesar poderia nos dar essa condição", disse o treinador, ao se defender das críticas por tirar o uruguaio de campo.

"Essa parceria entre Julio Cesar e Junior Cesar deu largura e profundidade ao nosso jogo. Depois disso, com o Henrique atuando ao lado do Ferreyra e o Wallyson pela direita, conseguimos a virada. Naquele momento, o Lodeiro não fazia bom jogo", justificou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogoEduardo Hungaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.