AP Photo/Silvia Izquierdo
AP Photo/Silvia Izquierdo

Eduardo Vargas vira protagonista na seleção chilena

Ex-atleta do Grêmio está ofuscando estrelas como Sánchez e Vidal

Gonçalo Junior, ENVIADO ESPECIAL A CONCEPCIÓN, O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2015 | 07h00

Eduardo Vargas, autor dos dois gols que classificaram o Chile para a final da Copa América na vitória sobre o Peru, é a surpresa do torneio. Nos últimos jogos ele vem ofuscando os ídolos Alexis Sánchez, Valdivia e até Vidal. E se tornou o artilheiro da equipe com quatro gols. 

“As coisas estão acontecendo de uma maneira inesperada. São muito melhores do que eu imaginava. A confiança está voltando”, disse o artilheiro. 

Vargas chegou à Copa América como uma incógnita. Em recuperação de uma torção no joelho esquerdo, o atacante era reserva na cabeça no técnico Jorge Sampaoli. “Em alguns momentos senti um incômodo, mas consegui continuar na partida”, disse o atacante.

 

Seu desempenho no Queens Park Rangers não despertava muita esperança para os chilenos. Teve contusões e foi titular em apenas quatro partidas e não pôde fazer muita coisa para evitar que a equipe fosse rebaixada como lanterna do Campeonato Inglês. 

Antes disso, as oscilações foram constantes no clube que detém seus direitos, o Napoli, onde anotou três gols em 28 jogos. No Grêmio, no qual atuou por empréstimo em 2013, fez cinco gols em 17 partidas. Saiu sem deixar muitas saudades. 

Tudo mudou com o gol que marcou na estreia da seleção chilena, definindo uma vitória suada sobre o Equador por 2 a 1. Sampaoli mudou o esquema tático que parecia definido e passou a escalar dois atacantes (ele e Sánchez). Beausejour perdeu o lugar, e o Chile achou a formação que o levou à primeira final em 28 anos. 

“Os gols são importantes individualmente, mas não são tudo O que vale mais é a conquista do grupo. Estamos na final e podemos fazer história”, diz Vargas. 

GUERRERO

Mesmo derrotado, o atacante Paolo Guerrero também terá chance de fazer história na disputa do 3.º lugar. Com 26 gols, ele só precisa de mais dois para se igualar a Teófilo Cubillas, o maior goleador peruano. 

Após a derrota para o Chile, no entanto, ele criticou a arbitragem. “Ele não marcou um pênalti claríssimo. Não vou me surpreender com esse tipo de imprevisto. Com os escândalos que acontecem hoje em dia, e o Chile jogando em casa”, afirmou o atacante do Flamengo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.