Themba Hadebe/AP
Themba Hadebe/AP

Egito goleia Argélia e vai à final da Copa Africana

Seleção egípcia ganha por 4 a 0 e agora decidirá o título diante de Gana, que bateu a Nigéria

AE, Agencia Estado

28 de janeiro de 2010 | 19h47

O seleção do Egito goleou a Argélia por 4 a 0, nesta quinta-feira, na cidade angolana de Benguela, e faturou a classificação para a final da Copa Africana de Nações. Na decisão, os egípcios, atuais campeões, defenderão o título diante da equipe de Gana no domingo, às 14 horas, na capital Luanda.

Maior campeão do torneio, o Egito buscará o tricampeonato, após levantar o troféu em 1957, 1959, 1986, 1998, 2006 e 2008. A equipe de Gana, por sua vez, tentará chegar ao seu quinto título - também venceu em 1963, 1965, 1978 e 1982. No sábado, a Argélia e a Nigéria, eliminada por Gana ainda nesta quinta, disputarão o terceiro lugar da competição, também às 14h.

A partida foi marcada por grande tensão dentro de campo. Os dois países, que vivem uma crise diplomática, mostraram grande rivalidade, com algumas jogadas violentas. Por causa das faltas excessivas, a seleção da Argélia terminou o jogo com três jogadores a menos em campo.

A tensão teve início em novembro do ano passado, após um jogo entre as duas seleções, no Sudão, valendo vaga para a Copa do Mundo - a Argélia se classificou. O governo do Egito acusou o rival de incitar os seus torcedores contra os egípcios e retirou seu embaixador do país. A eliminação do Egito foi seguida de protestos diante da embaixada argelina na capital Cairo.

Nesta quinta, a rivalidade só ganhou maior espaço nos minutos finais da partida, quando a equipe argelina perdeu dois jogadores por causa de cartão vermelho. O restante da partida foi marcada pela superioridade do Egito, que dominou o primeiro tempo com certa tranquilidade.

O primeiro gol saiu aos 39 minutos da etapa inicial. Hosni Abd Rabou abriu a contagem em cobrança de pênalti. Rafik Halliche foi expulso por causa da falta que gerou a penalidade.

Com a vantagem numérica, o Egito começou melhor no segundo tempo e marcou o segundo gol aos 20 minutos, com Mohamed Zidan. No decorrer da etapa, Nadir Belhadj e Fawzi Chaouchi também foram expulsos, facilitando a vida dos rivais. Assim, Mohamed Abdelshafi, aos 25, e Gedo, aos 42, selaram a vitória egípcia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.