Elano é vetado e desfalca Santos na final

Elano não enfrenta o Boca. O jogador do Santos voltou a sentir a lesão no ligamento colateral do joelho direito e foi cortado pelo técnico Émerson Leão, que fez absoluta questão de comandar o teste dele nesta terça-feira.Elano saiu de campo chorando ao ouvir do técnico que não jogaria a final da Libertadores, nesta quarta-feira, no Morumbi. Foi para o vestiário e só saiu de lá escondido, sem falar com a imprensa.A cena que tirou Elano da final da Libertadores foi chocante. Leão queria ver o jogador chutando forte com o pé direito. Jogou a bola uma, duas, três vezes para o jogador, que respondia sempre com insegurança. Na quarta vez, exigiu que ele chutasse mais forte e com a ponta do pé, justamente para testar o joelho. O atleta bateu na bola como o técnico queria e imediatamente acusou a dor. Leão balançou a cabeça negativamente. Não precisou dizer mais nada. Elano sentiu o golpe. Saiu do campo número três do CT Rei Pelé calado. A única reação foi limpar as lágrimas que escorriam pelo rosto.Quando o treino terminou, todos os jogadores foram até Elano, que ainda chorava no vestiário. A princípio, o jogador deveria ser cortado da delegação que seguiu para São Paulo na noite desta terça. Mas, por sugestão do próprio Leão, ele aceitou seguir com o grupo para a concentração, num hotel dos Jardins, em São Paulo.O baque de Elano foi grande também porque o jogador tinha absoluta certeza de que enfrentaria o Boca. Pela manhã, num primeiro teste com o médico Carlos Braga, no CT Rei Pelé, ele disse estar pronto. Na hora do almoço, o médico do Santos previa o aproveitamento de Elano no jogo, mas não quis ser incisivo. "Ele está recuperado. Já passou por um teste pela manhã, fazendo todos os movimentos de jogo e não sentiu. Vamos ver o que acontece no teste da tarde, na hora do chute. Se ele não sentir, vai ter condições de jogar. O teste da tarde será o definitivo".Leão já desconfiava das chances de Elano enfrentar o Boca. ?O Elano só vai para o jogo se bater fora na bola com o pé direito. Se não estiver 100%, não joga. Não posso arriscar perder uma substituição num jogo tão importante", chegou a dizer o treinador antes do teste.No final da tarde, quando confirmou o corte de Elano para toda a imprensa, Leão não se mostrou surpreso nem preocupado. "Não deu. Tinha que fazê-lo passar por alguns testes. Estávamos batendo bola. Olhei para ele e senti que estava amarrado, sem confiança. Não conseguia bater mais forte com o pé direito. Não tive escolha", explicou.Os jogadores do Santos também não ficaram surpresos com o corte de Elano. Afinal, muitos deles já passaram pelo mesmo drama. Ricardo Oliveira ficou fora dos dois jogos contra o Cruz Azul e do primeiro contra o Independiente Medellín, também por contusão.Por isso mesmo, Ricardo Oliveira fez questão de consolar o companheiro. "É ruim sair nessa situação. Eu estava ao lado na hora em que ele foi chutar e sentiu. Você se sente péssimo, não há o que fazer. Agora temos um motivo a mais para ganhar a Libertadores. Vamos oferecer ao Elano", prometeu.

Agencia Estado,

01 de julho de 2003 | 20h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.