Divulgação/Figueirense
Divulgação/Figueirense

Elano fala em tragédia e revela que havia arma de fogo em invasão no Figueirense

Treinador falou pela primeira vez sobre episódio com os torcedores no Orlando Scarpelli durante um treino no último sábado

Redação, Estadão Conteúdo

08 de setembro de 2020 | 08h55

Contratado recentemente para o cargo de técnico do Figueirense, Elano falou na noite de segunda-feira pela primeira vez sobre a invasão dos torcedores ao estádio Orlando Scarpelli durante um treino no último sábado. Alguns atletas ficaram feridos e o ocorrido está sendo investigado pela Polícia Civil. O treinador revelou que algumas pessoas estavam carregando armas de fogo e ressaltou que por muito pouco não aconteceu uma tragédia.

"Pessoas entraram dentro do nosso ambiente de trabalho, armadas, com garrafas, armas de fogo. Poderia ter acontecido uma tragédia muito pior. Poderia, sim. E a gente entristece. Nós que amamos o futebol sentimos muito", disse Elano ao programa Bem Amigos, do canal SporTV.

Os torcedores vêm pressionando o time por causa da sequência de resultados negativos na Série B do Campeonato Brasileiro. O clube é o atual 17.º colocado, com cinco pontos, dentro da zona de rebaixamento. O próximo desafio é diante do Cuiabá nesta terça-feira, na Arena Pantanal, em Cuiabá, pela nona rodada.

"Eu, como treinador do Figueirense, é a primeira vez que me manifesto sobre o acontecido. Uma tristeza muito grande. Lamentável esse episódio. Invasão do campo, do nosso estádio, da nossa casa. Onde tivemos jogadores agredidos. Um prejuízo mental muito grande para os atletas. Nós estamos aqui em Cuiabá, prontos para o jogo com o Cuiabá, um jogo difícil. Onde estamos cientes das nossas obrigações e tristes por tudo que vem acontecendo", afirmou Elano.

A invasão já refletiu no elenco. O atacante Pedro Lucas pediu para deixar o clube e retornará ao Internacional, dono de seus direitos econômicos. Segundo o presidente do clube, Norton Boppré, nenhum outro atleta, até o momento, solicitou uma rescisão contratual.

"Não tem como compactuar com tudo isto que aconteceu. É lamentável que isto novamente aconteça no nosso futebol. Já passou da hora de nós, que amamos o futebol, nos unirmos contra essas situações. Porque hoje foi com o Figueirense, mas a gente sabe que pode acontecer com qualquer um", finalizou Elano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.