Elano vai com muita fé para Rio Preto

Elano se considera um abençoado. Não poderia ser diferente. Em três anos de Santos, o meia foi decisivo já em 2002, na finalíssima do Brasileiro contra o Corinthians. Foi dele o gol de empate nos minutos finais, quando o Santos perdia por 2 a 1 (Léo ainda marcou o terceiro para confirmar a conquista inédita). Domingo passado, abriu o caminho para a goleada (3 a 0) sobre o São Caetano, no ABC.O jogador se diz abençoado por Deus e Nossa Senhora Aparecida. "Trago muitas alegrias nesses anos aqui no Santos e espero que isso sirva de inspiração para o jogo de domingo. "Ele não esconde a fé. Sempre que faz gols, levanta a camisa e mostra a imagem de Nossa Senhora Aparecida estampada em uma outra camiseta que veste por baixo. "Espero que Ela esteja ao meu lado mais uma vez. Estou muito feliz em ajudar a equipe novamente em uma decisão."O início de carreira na Vila Belmiro, no entanto, não foi tão fácil. O Santos atravessava um jejum de títulos e, em vez de festa e aplausos, a torcida protestava de todas as formas possíveis. "O clube não ganhava um título há anos e o clima era muito negativo. Faixas viradas ao contrário e se os adversários marcavam um gol, a torcida ficava contra o próprio o time. Hoje, tudo é diferente. Os jogadores formam uma família. E essa tranqüilidade foi construída ao longo desses últimos anos", conta. Ele nota que este "novo Santos" também foi responsável pela renovação da torcida. Fica mais evidente quando o time joga no Interior. "O Santos é do povão. Idosos, adolescentes, crianças... Esse time é querido aonde quer que vá. Todas as gerações gostam do Santos", afirma.Elano só não quer comparar a conquista de 2002 com a possibilidade de conquistar o título, domingo, contra o Vasco, em São José do Rio Preto. "Para a torcida, o primeiro foi muito mais importante, pelo fato de o Santos nunca ter vencido o Brasileirão. Para nós, este está sendo mais difícil, pelos problemas extracampo que enfrentamos."A preocupação não é apenas com o Vasco. Enquanto os jogadores tentam se manter concentrados apenas na partida em Rio Preto, o meia tem mais com que se preocupar: o casamento com Alexandra, terça-feira. "Espero que o domingo seja tão feliz quanto a terça", diz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.