Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Com eleição atrapalhando o planejamento, Corinthians enfrenta o São Caetano

Reforço para o ataque só chegará quando o novo presidente assumir e isso prejudica o time, que encara o Azulão neste domingo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

21 Janeiro 2018 | 07h00

Enquanto o São Paulo conta com Diego Souza e o Palmeiras com Lucas Lima, o Corinthians ainda espera por um nome de peso, de preferência centroavante. Mas ele só chegará após a eleição, no dia 3 de fevereiro. Até lá, o técnico Fábio Carille aposta em Kazim e espera ver o time evoluindo já na partida contra o São Caetano, neste domingo, às 19h30, no Pacaembu, pela segunda rodada do Paulista.

+ Corinthians reserva duas vagas no Paulista para a chegada de reforços

A disputa presidência não chega a afetar o ambiente corintiano, mas atrapalha o planejamento de Carille. Ele já queria ter o time completo neste momento, mas a dificuldade para conseguir a contratação de um substituto de Jô fez com que a diretoria decidisse não investir pesado em um reforço. Caberá à nova diretoria tal missão.

“Deixei claro que não chegaria a cereja do bolo e não vai chegar até a eleição. Tenho de blindar esses meninos, são jovens, e não é fácil jogar no Corinthians. Tenho de estar ao lado deles”, disse Carille.

A eleição promete pegar fogo nos próximos dias. Antônio Roque Citadini teve a candidatura impugnada, recorreu à Justiça e ainda não conseguiu recuperar o direito de concorrer ao pleito. Paulo Garcia e Andrés Sanchez também podem ser impugnados, na segunda-feira, por suposta compra de votos.

Enquanto isso, as rodadas do Paulista vão acontecendo e o time sofre para conseguir manter o ritmo do ano passado sem uma referência na área. Contra a Ponte, na primeira rodada, Kazim não foi bem, mas deverá ter nova oportunidade, até pelo fato de não existir muitas opções no elenco. Carille poderia testar Lucca e Júnior Dutra no setor, embora não sejam especialistas na função.

A diretoria inscreveu 22 jogadores para o Paulistão. Restam quatro vagas, que serão ocupadas por Emerson Sheik e Henrique e mais dois reforços. Além da espera por novos jogadores e um presidente, o Corinthians também precisa lidar com a falta de ritmo de alguns atletas, piorada com a Florida Cup.

Sem fôlego. O fato de o elenco ter disputado o torneio preparatório nos Estados Unidos atrapalhou os jogadores fisicamente. O goleiro Cássio reclamou publicamente desse problema, após o jogo com a Ponte Preta.

Mesmo com tantas adversidades, Fábio Carille mantém a confiança de que o time conseguirá ter melhor forma física e uma vitória diante do São Caetano ajudará a manter o clima em paz.

Em relação ao time, a formação é praticamente a mesma que perdeu para a Ponte Preta por 1 a 0. A única alteração é a entrada do lateral-esquerdo Juninho Capixaba no lugar de Guilherme Romão, suspenso. 

O São Caetano é o mandante na partida e o estádio do Pacaembu foi uma opção do time do ABC pensando no aspecto financeiro. A expectativa é de um público superior a 25 mil pagantes e renda de mais de R$ 1 milhão.

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.