Eleição do São Paulo pode acabar na Justiça

O clima nos bastidores do São Paulo ficou quente e as eleições, que estavam marcadas para segunda-feira, dia 19, podem acabar na Justiça. De acordo com os opositores de Marcelo Portugal Gouvêa, que busca a reeleição, os antigos conselheiros teriam direito a escolher o novo presidente. E não os novos, eleitos no dia 3. Eles alegam que o mandato dos cardeais terminaria apenas no dia 28. Portanto, poderiam participar do pleito do dia 19. A mudança alteraria o quadro eleitoral e poderia mudar o rumo da disputa, que tem Marcelo Portugal Gouvêa como grande favorito. É que o atual presidente tem ampla maioria entre os novos conselheiros, o que não ocorre entre os ?velhos?.Para evitar confusão e acabar com a polêmica, Marcelo Portugal Gouvêa resolveu mudar a eleição presidencial para o dia 30. Driblaria, assim, o problema. Seus rivais, no entanto, encontraram outro meio para seguir na briga.O mandato de Marcelo Portugal Gouvêa se encerra na terça-feira, 20. ?O clube não pode ficar acéfalo do dia 20 ao dia 30, sem um presidente?, afirmou José Carlos de Mello Dias, candidato da oposição. Por isso, alguns adversários do atual presidente ameaçam entrar na Justiça para suspender o pleito.?É um absurdo. Eles (opositores) querem ver o São Paulo na lama?, esbravejou o presidente. ?Sempre foram os conselheiros eleitos que escolheram o presidente. Os antigos conselheiros tomaram posse no dia 15 de abril de 2000. Já acabou a época deles. Mas, mesmo assim, mudei a data para encerrar o assunto. E agora eles vêm com essa de ir à Justiça...? Por enquanto, a eleição segue marcada para o dia 30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.