Eleição no sábado inicia fim da Era Juvenal no São Paulo

Carlos Miguel Aidar e Kalil Rocha Abdalla falam ao Estado sobre o pleito

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

04 de abril de 2014 | 08h30

SÃO PAULO - Neste sábado o São Paulo começa a decretar o fim da era Juvenal Juvêncio com a eleição de 80 novos conselheiros que irão se juntar aos 155 vitalícios (de um total de 160, mas cinco morreram) para, no dia 16, escolher entre Carlos Miguel Aidar e Kalil Rocha Abdalla para ocupar nos próximos três anos a cadeira que hoje pertence a um dos mais vencedores – e polêmicos – presidentes da história do Tricolor.

Advogados, amigos de longa data e ex-companheiros de grupo político, os candidatos encabeçam as chapas do que promete ser uma das eleições mais duras dos últimos anos. Bombardeado por maus resultados e por uma política cada vez mais centralizadora, Juvenal viu ruir o domínio implacável que exercia sobre o conselho deliberativo e corre o risco de perder o poder para o grupo que tem em Marco Aurélio Cunha, ex-superintendente e ex-genro do presidente, como seu maior expoente.

É em Cunha que Kalil aposta para fazer a oposição voltar ao poder depois dos oito anos – com direito a uma polêmica reforma do estatuto que garantiu o terceiro mandato, contestado na Justiça. O ex-superintendente será o vice-presidente de futebol no caso de vitória.

Carlos Miguel, por sua vez, promete ser um presidente que defenderá o legado de Juvenal sem esquecer de imprimir suas próprias características. Mesmo elogiando o companheiro, admite que é preciso mudar muita coisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.