Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Elenco do Corinthians celebra hepta e relembra descrença: 'Ninguém acreditava'

Misto de resposta e sentimento de dever cumprido foi o tom das declarações dos atletas ao término da partida

Daniel Batista e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2017 | 00h25

A falta de taça não impediu a festa dos jogadores do Corinthians após a vitória por 3 a 1 sobre o Fluminense. Um misto de resposta e sentimento de dever cumprido foi o tom das declarações dos atletas ao término da partida. 

De quarta força a melhor do Brasil: Corinthians é heptacampeão

“Esse papo de quarta força já morreu faz um tempo. Não tem nem que tocar nesse assunto. Já demonstramos no Paulista a nossa força. Ninguém esperava que fizéssemos o primeiro turno tão maravilhoso. A diretoria e a comissão técnica foram criticados também. Não deixamos nada disso atrapalhar o nosso ambiente”, disse o meia Rodriguinho. 

O lateral-direito Fagner também comentou sobre a descrença de boa parte da imprensa e da torcida sobre a qualidade do elenco. “Foi um ano maravilhoso, em que começamos desacreditados, mas a gente trabalhou, conseguimos marcar o nosso nome na história do Campeonato  Brasileiro. Na hora que precisou, a equipe teve força para a arrancada final. Esse título é para coroar um trabalho bem feito de quem ouviu muita coisa.”

O atacante Danilo, que voltou a jogar após mais de um longe dos gramados, destacou a sua superação para estar em campo. “A gente sempre pensava em voltar. Treinava, mas jogar é melhor e fico feliz pela oportunidade de ter participado desta campanha”, comemorou o jogador, que tem contrato até dezembro. “Espero que a gente defina se eu renovo ou vou para outro lugar.”

Um dos destaques do Corinthians no Brasileiro, o lateral-esquerdo Guilherme Arana falou, em tom de despedida. “Tenho três títulos com essa camisa com apenas 20 anos. Não sei se vou estar aqui ano que vem, por isso me emociono mais ainda. Vou fazer minha, vou pra Europa. Tudo indica que vou embora. Não assinei nada, mas tem a possibilidade de eu ir pra Europa. Chegou proposta oficial do Sevilla”, contou. 

Torcedor em campo. Outro que também ganhou espaço e se tornou uma das referências da equipe na temporada, o volante Gabriel comemorou duplamente. Como jogador e torcedor. “O grito da torcida é uma coisa que mexe muito. Eu sou um maloqueiro do bando de louco. Eu vesti essa camisa, porque eu sabia a pressão que tinha aqui e estava pronto. Aqui é Corinthians”. 

Jadson resumiu em poucas palavras. “É do jeito que o corintiano gosta. Na raça”, festejou o autor do terceiro gol. 

Criado na base do Corinthians, Maycon teve maior espaço nesta temporada e foi titualr na maior parte da campanha. “Sonhei com isso. Estou há mais de dez anos no clube. Fazer a festa com essa torcida é realizar um sonho. Sei como foi difícil estar aqui”, falou o meia, emocionado.

O elenco alvinegro volta aos treinamentos nesta quinta, às 16h30, no CT Joaquim Grava. Para o jogo contra o Flamengo, Carille pode poupar alguns titulares e dar oportunidade para alguns atletas que não tem sido muito aproveitados. O goleiro Cássio deve voltar ao time. 

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.