Internacional/ Divulgação
Internacional/ Divulgação

'Se acabar campeonato e a gente for rebaixado, vamos aceitar', diz elenco do Inter

Jogadores colorados alegam que não têm condições emocionais de entrar em campo

Estadão Conteúdo

02 de dezembro de 2016 | 17h53

Diante da repercussão negativa com o posicionamento da última quinta-feira, o elenco do Internacional voltou a se reunir nesta sexta para defender a ideia de cancelamento da última rodada do Campeonato Brasileiro. Os jogadores colorados alegam que não têm condições emocionais de entrar em campo na partida final por conta da tragédia envolvendo a Chapecoense no início da semana.

Na quinta, todo o elenco do clube foi à sala de imprensa defender a medida "por uma questão de respeito e emocional". A atitude não foi bem recebida pelos fãs do futebol, que cogitaram uma possível tentativa do clube de utilizar a tragédia para escapar da queda para a Série B. Por isso, Alex comandou mais uma vez a mobilização dos jogadores e garantiu que mantém a posição mesmo que, como resultado, o Inter seja rebaixado.

"Eu coloquei minha posição independente de tabela. Eu achei que tinha ficado claro. Porque, naturalmente, se acaba a tabela desse campeonato horrível que a gente está fazendo, a gente colocou a cara para todo mundo. A gente veio manifestar solidariedade. A intenção era falar que, se todo mundo propusesse de não haver jogo, mesmo o Inter, que está na zona de rebaixamento, iria aceitar todas as regras", disse. "Se for o caso de acabar o campeonato e a gente for rebaixado, vamos aceitar porque fizemos por merecer."

Respaldado por Ceará, Rodrigo Dourado, Paulão, Danilo Fernandes e Ernando, Alex garantiu que a polêmica resultada de sua declaração na quinta foi um "mal-entendido". "Queria reiterar, até porque ficou um mal-entendido daquilo que a gente imaginava que tinha ficado claro. A gente não quer cancelar o campeonato nem 'melar' o último jogo, tanto que falei em respeito a todos os envolvidos: Chapecoense, jornalistas, famílias. Se tiver rodada, vamos jogar."

O meia também desmentiu que a diretoria do Inter tenha incentivado os jogadores a se posicionarem desta forma, em uma suposta tentativa de forçar a permanência na Série A. "Disseram que a gente veio porque a diretoria nos pediu, nos obrigou. Isso não existe. A gente pôde expor aquilo que a gente tem sentido."

O fato é que o Inter tem sido duramente criticado por suas atitudes desde a tragédia no início da semana. De lá para cá, o ex-presidente e atual vice de futebol do clube, Fernando Carvalho, criticou o adiamento da última rodada do Brasileirão, em homenagem às vítimas da Chapecoense, ao considerá-lo "prejudicial" à "tragédia pessoal" do time gaúcho. Logo depois, teve que pedir desculpas, diante da repercussão negativa.

O Inter também entrou com ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para que o Vitória seja punido com a perda de pontos pela suposta escalação irregular do zagueiro Victor Ramos. E diante das declarações de Alex na quinta, Vitorio Piffero alegou que o campeonato ficaria "em aberto" caso não houvesse a última rodada, ao contrário do que admitiram os jogadores nesta sexta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.