Elenco não aproveita chance no Santos

Dificilmente Robinho e Léo não atuam pelo Santos e a convocação pela seleção abriu a oportunidade aos novos jogadores. No entanto, eles não estão aproveitando a chance. O time não ganha há cinco jogos e o técnico Gallo procura novas alternativas para armar a equipe na ausência dos dois titulares absolutos e de outros atletas importantes como o lateral-direito Paulo César e os volantes Fabinho e Zé Elias. Para o jogo contra o São Caetano, no domingo, o treinador poderá contar com a volta do centroavante Deivid, que cumpriu suspensão, e de Paulo César, que ficou afastado por um mês por conta de dores na coxa direita. Ele foi liberado pelo médico Carlos Braga e está treinando normalmente. Mas os volantes continuarão afastados por contusão. O polivalente Wendel atribui a queda de produção da equipe a ausência de muitos titulares e cita que em alguns jogos houve cinco desfalques. "Estamos trabalhando para superar essas dificuldades e procuramos sempre evoluir. Logo estaremos jogando de novo aquele futebol qualificado do Santos". Ele acredita que uma vitória no domingo mudará o panorama vivido hoje na Vila Belmiro. "Com três pontos, voltaremos a subir na tabela e a encostar nos líderes. Esse é o nosso objetivo". Elton, outro novato no time do Santos, ressaltou que o time é bastante unido e vem jogando há bastante tempo. "Isso facilita para os que estão chegando agora e em ambientação. Esperamos, com o tempo, conseguirmos nos afirmar na equipe". Pensando no jogo no ABC, Elton acha que vai ser uma partida complicada. "O Campeonato Brasileiro é complicado e só nos resta trabalhar bastante esta semana porque necessitamos da vitória". Isso, mesmo sem Robinho, Léo e os contundidos. "O Santos tem um time muito bom, com jogadores de muita qualidade e quando alguns saem, fica difícil". Giovanni - Com os desfalques, aumenta a responsabilidade de Giovanni, que pode ficar com a vaga de Deivid, quase acertado para retornar ao Bordeaux no final do mês. Ele poderá jogar ao lado de Robinho se a palavra de Marcelo Teixeira de só liberar o craque em 2008 for cumprida. Caso o atacante saia, provavelmente a diretoria contratará outro atacante de peso para formar a dupla com Giovanni. Quando retornou à Vila Belmiro, o jogador, que ficou nove anos no exterior, disse que não pretendia assumir esse papel de liderança, mas não deverá ter muitas alternativas justamente por ser um dos atletas mais experientes do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.