Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Elenco palmeirense apóia Marco Aurélio

Os jogadores do Palmeiras, constrangidos, respeitaram a atitude de Argel mas ficaram do lado do técnico Marco Aurélio. A maioria dos atletas disse que o embate entre zagueiro e o treinador foi uma surpresa. Em situação difícil no Campeonato Paulista - 12º lugar com quatro pontos -, o time não pode perder para o líder Rio Branco, sábado, em Americana, sob pena de atolar ainda mais na crise. Por isso e por prudência, o elenco apoiou o técnico.Galeano, ex-capitão do time e um dos líderes do grupo, poupou o técnico. Há duas semanas, ele havia cobrado de Marco Aurélio um critério mais justo para escalar o time. Hoje, evitou a polêmica. "Foi um problema inesperado, o clima entre nós estava bom. O ambiente era de amizade. Não vejo que isso tirou a autoridade do Marco Aurélio. Ele nos dá liberdade para colocarmos o nosso pensamento. Todos falam o que querem, só que há limites."Outro que andava descontente com o técnico era Magrão. Mudou de posição depois da guerra entre Argel e Marco Aurélio. Fez questão de elogiar o treinador. "Ninguém estava reclamando, o que vem acontecendo é que todos querem jogar. Nesse grupo existe muito respeito pelo Marco Aurélio. Foi ele que colocou o nosso nome na mídia, que fez a gente estourar em todo o Brasil ano passado. Temos de respeitar o professor."Alex comentou que o caso não pode interferir no comportamento da equipe, que tem um problema acima do normal para resolver. "O que aconteceu com o Argel foi muito chato. Não vejo isso como um problema para nós. Foi um caso entre ele e o treinador. O nosso papel é passar por cima e vencer o Rio Branco porque a fase não é boa. Conheço três tipos de times: aquele que todo mundo é bonzinho e não vence nada; aquele que ninguém se suporta, mas conquista títulos; e aquele que tem amizade e discute seus problemas internos e vence. Esse Palmeiras de hoje se enquadra nessa terceira opção. O caso Argel não pode nos abater."Com respaldo dos atletas, Marco Aurélio teve agora à noite uma reunião com o grupo e a comissão técnica para explicar a sua atitude em relação ao caso Argel. Pediu também concentração total na partida de contra o Rio Branco. Amanhã, o treinador fecha as portas da concentração em Jarinu, para ninguém incomodar ele e os atletas nos últimos momentos de reflexão antes do jogo decisivo.Marco Aurélio sabe que em caso de derrota em Americana será obrigado a entregar o cargo. O sucessor está entre Carlos Alberto Parreira e Celso Roth. Se vencer, respira e recebe reforços. Nesta sexta-feira, o colombiano Muñoz se apresenta e assina contrato. A lista de contratações que os dirigentes especulam: Fábio Júnior, ex-Cruzeiro, Felipe, Arce e Juninho Pernambucano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.