Mauricio Val/Divulgação
Mauricio Val/Divulgação

Elias admite ter forçado cartão e irrita Mano Menezes no Flamengo

A exemplo de Valdivia, jogador do rubro negro pode ser punido pelo STJD por provocar advertência

LEONARDO MAIA, Agência Estado

13 de setembro de 2013 | 08h41

RIO - Como o momento é delicado, nem tudo poderia ser positivo na crucial vitória do Flamengo por 2 a 1 sobre o Santos, quinta à noite, no Maracanã. O volante Elias forçou o terceiro cartão amarelo nos acréscimos e confessou o "crime" aos microfones à beira do campo. Assim, em vez de ganhar um dia de folga que já estava programado, contra a Ponte Preta, domingo, Elias poderá desfalcar o time por mais jogos, se a procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva oferecer denúncia.

Há precedente. O meia-atacante Valdivia, do Palmeiras, fui punido com dois jogos de suspensão, no dia 3, por ter forçado um amarelo contra o Paraná, no dia 10 de agosto. Ele também havia admitido ter forçado a aplicação naquela ocasião.

O técnico Mano Menezes tentou negar a intenção de "zerar" os cartões de Elias durante uma folga programada. Mano queria poupá-lo contra o time campineiro para dar-lhe um descanso.

"Não se pensa em tirar Elias ou outro jogador de forma premeditada. Ele demorou para bater o lateral, o juiz aplicou o cartão e ele está fora do próximo jogo, foi isso que aconteceu."

Quando alertado de que as declarações de Elias estavam gravadas, o treinador rubro-negro fechou o semblante e se recusou a falar mais do assunto. "Não discutimos questões internas."

E foram estas as palavras do volante: "O Mano pediu para eu tomar (o cartão) se a gente estivesse na frente e o jogo no fim. Participei de 19 de 20 jogos do Brasileiro, mais Copa do Brasil. Vai ser bom ficar um ou dois jogos de fora."

Elias poderá, no fim das contas, ganhar uns dias extras para descansar. Cenário que soa terrível para uma equipe que ainda luta para se distanciar da zona de rebaixamento. Com o triunfo, o Flamengo chegou aos 25 pontos, pulou várias posições, para o 11º lugar, mas está a apenas três da Portuguesa a 17ª colocada. Da mesma forma, o time rubro-negro está a cinco do sexto colocado, o Corinthians.

"Não adianta vir aqui e falar em sequência (de vitórias) toda vez que vencemos uma. Temos que pensar jogo a jogo", disse Mano. "Foi muito importante abrir o segundo turno com uma vitória. Sentimos confiança de novo."

Para a partida de quinta, Mano surpreendeu com a escalação de Carlos Eduardo e Paulinho, barrando Luiz Antônio e Rafinha. O técnico justificou ter mexido mais uma vez no time pela necessidade de achar o melhor ajuste contra cada adversário, marca de uma equipe que ainda não encontrou sua identidade, segundo ele.

"Mas acho que o Carlos Eduardo fez a melhor partida dele no Flamengo. Se movimentou, buscou o jogo e armou algumas de nossas melhores jogadas (deu assistência para o gol de Hernane, o segundo). Precisamos de jogadores assim, que pensem mais", analisou Mano.

Contra a Ponte, além de Elias, Leonardo Moura pode ser problema. O lateral deixou o campo no segundo tempo com uma aparente lesão. "Vamos ter que esperar as próximas horas. O tempo é curto", lamentou o comandante. O atacante Marcelo Moreno retornou da seleção boliviana com uma infecção de garganta e febre. Sua participação também está em aberto.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFlamengoBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.