Reprodução
Reprodução

Eliminação na Libertadores faz São Paulo se apressar por reformulação

Time perderá alguns jogadores importantes do elenco

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2016 | 12h02

A eliminação na semifinal na Copa Libertadores, na última quarta-feira, selou o começo de uma nova fase do São Paulo, com foco na reformulação do elenco para o segundo semestre. Embora no calendário o ano já esteja além da metade, a disputa do torneio deixava em segundo plano a necessidade de repensar o grupo, que pode nos próximos dias ter as saídas de três titulares na campanha no torneio continental.

Ganso, Rodrigo Caio e Calleri são as saídas mais prováveis. O camisa 10, que ficou fora da semifinal por estar lesionado, deve ir para o Sevilla. A Libertadores era um dos entraves para a negociação fechar. Agora, resta a busca por um acordo sobre como será o pagamento. O clube espanhol pretende pagar parcelado 9 milhões de euros (cerca de R$ 33 milhões), dos quais o São Paulo exige receber à vista 5 milhões de euros (aproximadamente R$ 18 milhões). Dono de 68% dos direitos econômicos do atleta, o grupo DIS não concorda com esse rascunho de divisão.

O atacante argentino Calleri tem contrato de empréstimo até julho e, como vai se apresentar à seleção olímpica, não vai mais jogar pelo São Paulo e seguir ao futebol europeu. O zagueiro Rodrigo Caio vive condição parecida, por também estar convocado aos Jogos do Rio e na mira de times italianos. A Lazio manifestou publicamente a vontade de contar com o jogador.

A diretoria do São Paulo estava precavida para essas saídas e alguns reforços devem chegar até o fim do mês. "Estou falando com a diretoria para tentar agregar mais uns dois ou três nomes para a equipe", disse o técnico Edgardo Bauza. Entre os cotados estão dois argentinos: o lateral-direito Buffarini, do San Lorenzo, e o atacante Milton Caraglio, do Tijuana.

A procura pelos reforços, porém, esbarra na tendência de pouco investimento. O São Paulo gastou há pouco cerca de R$ 9 milhões pelo meia peruano Cueva e R$ 22 milhões pelo zagueiro Maicon, contratações que já representam uma preparação para a sequência do ano. Do lado financeiro, a saída na Libertadores também traz um impacto. Em premiações o clube deixa de ganhar R$ 18 milhões, fora possíveis lucros com bilheteria e patrocínios.

Nesse cenário de poucos recursos, a diretoria negocia com o atacante Gilberto. O jogador ex-Inter, Portuguesa e Vasco seria uma contratação sem custos, pois está sem contrato depois de sair do Chicago Fire, dos Estados Unidos. "O São Paulo está se organizando e planejando o restante da temporada. É o que nos resta. Vamos transferir para o Campeonato Brasileiro os nossos esforços", afirmou o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

A necessidade de contratações também servirá para evitar problemas no fim do ano. Outros titulares como o atacante Kelvin e o lateral Mena, por exemplo, têm vínculos de empréstimos somente até dezembro e são casos que vão demandar negociações por parte da diretoria.

O próprio elenco sabe que a etapa atual de reformulação é fundamental para fazer o time reagir no Brasileiro e voltar à Libertadores no próximo ano. "O nosso segundo semestre vai depender da maneira como o elenco será construído", afirmou o zagueiro Diego Lugano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.