Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Eliminada da Série D, Lusa vive pior momento de sua história

Presidente da Portuguesa emitiu uma nota assumindo a responsabilidade e pedindo desculpas à torcida

O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2017 | 12h09

Eliminada da quarta divisão do Campeonato Brasileiro no último domingo, 25, depois de perder por 1 a 0 para o Desportiva Ferroviária (ES), a Portuguesa amarga o pior momento de sua história.

Fora da Série D, o time fica sem vaga garantida em torneios nacionais em 2018. A situação só muda se a Lusa vencer a Copa Paulista, que começa na próxima semana e que dá ao clube campeão o direito de escolher entre uma vaga Série D ou na Copa do Brasil na próxima temporada.

Depois da derrota, o presidente da Lusa, Alexandre Barros, emitiu uma nota assumindo a responsabilidade e pedindo desculpas à torcida pelos resultados recentes do clubes.

"Fui o responsável direto pela montagem e remontagem dos elencos nas competições. Pelas trocas das comissões técnicas. Pelas contratações e dispensas de atletas. E por todo o plano de trabalho que se tornou ineficaz por minha incompetência nesse momento", escreve Barros.

"À nossa apaixonada torcida fica o agradecimento e as desculpas por privá-los das alegrias que eles sonham e merecem. Nessa caminhada, e em tantas outras, ela sempre esteve ao lado da nossa querida Lusa, com críticas ou aplausos", completa o dirigente.

A queda livre da Lusa teve início em 2013, quando foi rebaixada da elite do Campeonato Brasileiro por decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva por causa da escalação irregular do meia Héverton. A decisão livrou o Fluminense do rebaixamento para a Série B.

De lá para cá, a Lusa caiu para a Série C em 2014 e, no ano passado, foi rebaixada para a Série D. O cenário também não é positivo no contexto estadual, onde o time também disputa a Série A-2, a segunda divisão do Campeonato Paulista, desde 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.