Elogiado por Muricy Ramalho, Souza se vê longe do ideal no São Paulo

Ex-gremista virou dono do meio-campo e tem atuado com personalidade de veterano

Fernando Faro, Agência Estado

24 de fevereiro de 2014 | 21h04

SÃO PAULO - "É um baita jogador. Parece que está aqui há anos". Foi assim que Muricy Ramalho definiu a chegada de Souza ao São Paulo e os primeiros quatro jogos do volante pelo clube. Em poucas partidas, o ex-gremista virou dono do meio-campo e tem atuado com personalidade de veterano.

Emprestado pelo Grêmio após longa negociação que envolveu a permanência de Rhodolfo em Porto Alegre, Souza não esconde a alegria com seus primeiros passos no São Paulo, mas projeta uma melhora coletiva para os próximos jogos. Segundo ele, todos terão um desempenho superior assim que a equipe voltar a vencer - são quatro jogos sem um triunfo (uma derrota e três empates).

"A gente fica grato pelo que o professor falou, mas claro que por não ter conseguido uma vitória ainda falta algo. Quero vencer para nos dar um pouco mais de tranquilidade. Acho que não cheguei ao meu melhor nível e nem meus companheiros, mas uma hora a vitória virá e aí a confiança aumenta", disse o jogador.

Os elogios de Muricy ecoam também na torcida, que rapidamente adotou o jogador como um dos seus preferidos. A postura de liderança em campo também garante que Souza não tenha concorrentes em seu setor, mas ele espera que o começo seja só uma amostra do que ele pode oferecer no futuro.

"Não acho que estou super bem, acho que tenho conseguido ajudar minha equipe, mas posso ajudar muito mais. Fico incomodado com essa situação (falta de vitórias) e o São Paulo também, ninguém gosta. Mas sabemos que vindo uma vitória muda tudo, não serão quatro sem vencer e sim quatro sem perder, vamos tentar fazer isso acontecer. Se mantivermos a mesma pegada e o mesmo ritmo, a vitória será nossa na quarta contra o XV de Piracicaba, com todo respeito a eles".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.