Rahel Patrasso/Reuters
Rahel Patrasso/Reuters

Elogiado, Raniel deve seguir no Santos, mas mantém baixa produção do ataque

Atacante foi titular contra o Flamengo e deve ter mais uma chance diante do Vasco, nesta quarta-feira

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2020 | 09h08

O técnico Cuca decidiu trocar o centroavante do Santos, mas os gols continuaram a não sair. No último domingo, a posição ficou com Raniel, que ganhou a vaga antes ocupada por Kaio Jorge, mas o jejum de quem exerce a função permaneceu. Ainda assim, ele deve seguir na formação titular para o duelo de quarta-feira com o Vasco, na Vila Belmiro, até por ter recebido elogios do treinador depois da derrota por 1 a 0 para o Flamengo.

A partida de domingo foi a primeira de Raniel sob o comando de Cuca, pois estava lesionado, tendo chegado a treinar pelo time B na última semana para recuperar o ritmo de jogo. O atacante não era aproveitado na equipe desde 22 de julho, no empate por 1 a 1 com o Santo André, quando foi acionado pelo então técnico Jesualdo Ferreira.

"Estava bastante ansioso. Trabalhando bastante. Sabia que uma hora ia chegar a oportunidade novamente. Estava preparado. Juntamente com a comissão. Pude fazer uma boa partida, no meu ponto de vista, mas fico triste pela derrota. Pelo futebol que a gente apresentou, especialmente no primeiro tempo, daria para gente sair com um resultado melhor. Até fizemos dois gols, que foram anulados", disse Raniel.

Recuperado de trauma no joelho esquerdo, o atacante foi autor de um dos gols do Santos anulado pela arbitragem no último domingo após consulta ao VAR. O atacante teve boa atuação, dando trabalho ao goleiro Diego Alves. Mas segue com números modestos pelo clube, tendo marcado duas vezes em oito jogos, ambos na mesma partida, diante da Inter de Limeira, há sete meses, em 30 de janeiro.

"O Raniel foi bem, fez o gol que foi anulado, teve outra chance que o Diego Alves defendeu. Uma lástima. Pela partida que ele fez, merecia ter feito um gol ou participado de um", disse Cuca.

Embora seja centroavante de origem, Raniel foi usado em muitos desses jogos como um ponta por Jesualdo, que optava pela escalação de Eduardo Sasha mais centralizado. Ainda assim, ele tem média de gols baixa como as outras opções do elenco para a posição.

Até Raniel receber uma chance diante do Flamengo, Kaio Jorge vinha sendo o centroavante titular com Cuca. E em 2020, ele fez apenas um gol, mesmo tendo entrado em campo 15 vezes, sendo nove delas como titular. Não é diferente com o colombiano Fernando Uribe, que atuou em cinco jogos nesta temporada, ainda que só em dois desde o apito inicial. E não foi às redes.

Mesmo os jogadores escalados como centroavantes que deixaram a Vila Belmiro durante este ano não têm se destacado pelo gols. Sasha, hoje no Atlético Mineiro, fez apenas dois em dez jogos pelo time em 2020. E Yuri Alberto marcou um em cinco partidas disputadas antes de se transferir ao Internacional.

Não à toa, o artilheiro do Santos nesta temporada é um ponta, Marinho, autor de seis gols. E que Raniel deva receber, diante do Vasco, nova chance de melhorar os seus números e dos centroavantes do clube em 2020.

Tudo o que sabemos sobre:
RanielfutebolSantos Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.