Vítor Silva/Botafogo
Vítor Silva/Botafogo

Em 1º jogo internacional de Barroca, Botafogo visita paraguaios na Sul-Americana

Equipe carioca joga contra o Sol de América, no estádio Luis Afonso Giagni

Redação, Estadão Conteúdo

22 de maio de 2019 | 08h40

Irregular no Brasileirão, o Botafogo vai deixar a competição de lado nesta quarta-feira para centrar suas atenções na Copa Sul-Americana, quando enfrentará o Sol de América, no Paraguai, no jogo de ida da segunda fase. O duelo no estádio Luis Afonso Giagni, na cidade de Villa Elisa, que fica a 11km da capital Assunção, está marcado para começar às 19h15 (horário de Brasília).

Derrotado por 1 a 0 pelo Goiás no último domingo, após acumular três triunfos seguidos no Brasileirão, o time carioca vem de bons resultados na competição internacional. Na primeira eliminatória, passou pelos argentinos do Defensa y Justicia com facilidade, com vitórias por 1 a 0 e 3 a 0.

No entanto, a competição não tem sido tranquila para os brasileiros. Bahia, Santos e Chapecoense foram eliminados por equipes de pequena expressão na primeira fase, enquanto Corinthians e Fluminense avançaram. O outro brasileiro na disputa é o Atlético-MG, que se qualificou por ter ficado em terceiro em seu grupo na Copa Libertadores.

Em sua estreia em competições internacionais, o técnico Eduardo Barroca não poderá contar com dois jogadores. O atacante Rodrigo Pimpão sofreu uma entorse no tornozelo esquerdo e o lateral-direito Marcinho foi expulso na partida de volta da primeira fase, contra o Defensa y Justicia.

Fernando deve ser o escolhido para a lateral, enquanto a vaga de Rodrigo Pimpão abre a possibilidade de reforçar o meio-campo. Alex Santana e Luiz Fernando estão entre as opções do treinador, que pode ainda variar a equipe para um esquema 4-4-2, em detrimento do 4-3-3 que vinha utilizando nas últimas partidas.

Já ao comentar como será a sua primeira experiência no exterior como técnico de um time profissional em sua carreira, o comandante alvinegro destacou na noite desta terça-feira: "É mais uma etapa na minha vida profissional, estou bastante feliz com essa oportunidade. Sei de minha responsabilidade dirigindo um time da grandeza do Botafogo. Já tive diversas experiências internacionais em outros segmentos (por times de base), como por exemplo em seleção brasileira, como assistente técnico, e agora estou tendo essa oportunidade de fazer um jogo deste tamanho, dirigindo uma equipe como o Botafogo, que dá tranquilidade aos jogadores. Agora é estar tranquilo para tomar as melhores decisões e aproximar o Botafogo da vitória".

MUDANÇAS

O treinador também confirmou duas mudanças na escalação titular do Botafogo na noite desta terça. Ele revelou que o lateral-esquerdo Gilson entrará no lugar de Jonathan, enquanto o meio-campista Léo Valência substituirá Gustavo Bochecha. O comandante justificou a opção pelos dois atletas, sendo que o meio-campista não atua como titular desde o início de fevereiro.

"O Léo vem treinando muito forte desde quando cheguei. Teve algumas oportunidades de entrar nos jogos e entendi que entrou bem. Já estava merecendo uma oportunidade. É um jogador de nível internacional, de nível de seleção. Está trabalhando muito duro, merece essa oportunidade", afirmou Barroca ao comentar sobre uma das novidades da equipe alvinegra para esta quarta-feira.

Já ao comentar sobre a entrada de Gilson, o treinador lembrou do bom histórico recente de atuações do atleta, que acabou sendo atrapalhado por uma lesão que o tirou do clássico com o Fluminense e também da partida contra o Goiás. "Ele (Gilson) jogou contra Bahia e Fortaleza, vinha muito bem, e a gente ganhou estes dois jogos com ele em campo, mas infelizmente teve um desconforto na panturrilha e não pôde jogar contra o Fluminense. Teve recuperação e agora retorna. É um jogador de experiência, de imposição física, e a gente aposta que ele possa dar conta do recado aqui", ressaltou Barroca.

O adversário do Botafogo nesta quarta-feira vive momento irregular. O Sol de América vem de três trocas recentes de treinador e terminou o Torneio Apertura do Campeonato Paraguaio na oitava colocação, com direito a derrotas por goleada como o 4 a 0 para o Olímpia, 7 a 2 para o Cerro Porteño e 6 a 1 para o Sportivo San Lorenzo.

Javier Sanguinetti, o atual comandante da equipe, chegou para "apagar o incêndio", mas ainda não conseguiu dar tranquilidade ao elenco. Já sob seu comando, a equipe fechou o Apertura com a pior defesa, com 42 gols sofridos em 22 jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.