Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Em 100º jogo de Robinho, Atlético-MG tenta manter o embalo contra a Chapecoense

Robinho deve ser titular no lugar de Otero, enquanto Roger Bernardo deve ganhar a vaga de Adílson

Estadão Conteúdo

18 Outubro 2017 | 06h34

O Atlético Mineiro tem uma motivação especial para o duelo desta quarta-feira contra a Chapecoense, às 21 horas, no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 29.ª rodada do Campeonato Brasileiro: a marca de 100 jogos que Robinho completará pelo clube.

+ Chapecoense contrata Gilson Kleina para tentar fugir do rebaixamento

O atacante chegou em fevereiro do ano passado e, em suas 99 partidas, marcou 34 gols. Também tem sido determinante na recuperação do Atlético Mineiro após a chegada de Oswaldo de Oliveira. Com o novo treinador, o clube ganhou duas partidas - na primeira delas, contra o Atlético Paranaense, ele fez dois gols - e empatou uma na competição, contra o Sport, no último domingo, quando Robinho estava suspenso.

"Fazer 100 jogos com essa camisa é para poucos e estou muito feliz. Espero coroar meu centésimo jogo fazendo gols e, claro, o mais importante, que o Atlético Mineiro vença, que é o nosso objetivo", apontou o atacante.

Robinho, assim, está confirmado entre os titulares para o confronto desta quarta-feira. O mais provável é que ele ocupe a vaga do venezuelano Otero, que até teve boa atuação contra o Sport, mas não será mantido na equipe - o equatoriano Cazares atuará na armação ao lado de Valdívia.

Mas essa não deve ser a única mudança para enfrentar a Chapecoense. Depois de sólidas atuações nas duas partidas anteriores, a última delas entrando no segundo tempo, o volante Roger Bernardo treinou entre os titulares e vai iniciar no lugar de Adílson. Em nono com 38 pontos, o Atlético Mineiro busca vencer nesta quarta-feira para se aproximar dos primeiros colocados e garantir uma vaga na Copa Libertadores.

Mais conteúdo sobre:
futebol Atlético Mineiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.