Em 11 dias, Pato sai do banco de reservas e renasce no São Paulo

Atacante deixou de ser a última opção no elenco para o time titular e vive melhor momento entre os homens ofensivos da equipe tricolor

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2014 | 07h00

"Se ele continuar assim, não sai do time". A frase de Muricy Ramalho para Alexandre Pato mostra como a realidade do atacante mudou radicalmente em 11 dias. De última opção do setor à titularidade no time do São Paulo foram três jogos, três gols e atuações que em nada lembram o jogador muitas vezes chamado de acomodado.

A mudança do sistema de jogo caiu como uma luva para o jogador, mas não é só pela tática que sua sorte começou a inverter; o consenso é de que ele entendeu que precisaria mudar seu estilo de jogo e ser mais combativo para ganhar outras chances. Além de se movimentar mais e buscar o jogo, ele tem sido mais aplicado na marcação e, com isso ganhou Muricy.

Fora de campo, seu perfil continua o mesmo. “O Pato ri de tudo”, disse Souza, aos risos, ao comentar a reação do companheiro na reapresentação do elenco. A análise é precisa, é praticamente impossível ver o atacante sem um sorriso no rosto.

O problema é que muitas vezes esse estilo incomodou por passar a impressão de desinteresse nas atividades e em sua própria carreira. As críticas mais ácidas colocam Pato como um ‘Peter Pan’ que não quer envelhecer, O próprio presidente Carlos Miguel Aidar era receoso com relação ao futuro do jogador no clube após a troca com o Corinthians, mas resolveu dá-lo um voto de confiança.

O que todos concordam é que a chegada de Kaká, com quem jogou no Milan e de quem é amigo pessoal, teve impacto positivo para a reação. “Ajudou bastante na questão do companheirismo”, disse Souza.

Pato ressurge num momento em que sua passagem no São Paulo era colocada em xeque: o Tricolor já estava desanimado e não se opunha ao Corinthians tentar negociá-lo com a Europa. Agora, no entanto, a situação é diferente e o clube volta a falar e mantê-lo em definitivo. “Se ele continuar jogando dessa forma, interessa manter sim”, afirmou o vice de futebol, Ataíde Gil Guerreiro, que define Pato como “um craque”.

A não ser que Muricy mude de ideia e escale um time reserva contra o Bragantino amanhã, pela Copa do Brasil, Pato terá mais uma chance de mostrar que os dias de instabilidade fazem parte do passado.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCAlexandre Pato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.