Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Em alta no Real Madrid, Rodrygo diz estar vivendo um sonho na seleção

Atacante é novidade na equipe de Tite para os amistosos contra Argentina e Coreia do Sul

Redação, Estadão Conteúdo

12 de novembro de 2019 | 15h33

Principal novidade na lista do técnico Tite para os amistosos contra Argentina e Coreia do Sul, o atacante Rodrygo, de apenas 18 anos, fez nesta terça-feira o seu segundo treinamento na seleção brasileira principal, o primeiro com todos os companheiros, e diz estar vivendo um sonho de criança. Primeiro jogador nascido no século XXI a ser convocado para defender o Brasil, o destaque do Real Madrid espera ajudar no que foi possível com a camisa do time nacional.

"Eu me sinto realizado neste momento. Aquele sonho de todo menino é um dia vestir a camisa da seleção. Poder jogar ao lado desses jogadores que acompanho há muito tempo me deixa realizado e feliz de estar vivendo isso tudo", disse Rodrygo, em entrevista coletiva em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, onde a equipe comandada por Tite está treinando para encarar os argentinos nesta sexta, em Riad, na Arábia Saudita, e os sul-coreanos, na próxima terça.

"Já deu para sentir um gostinho, mas acho que quando botar a camisa e a bola rolar é que vai dar pra sentir de vez. Eu estou muito feliz de estar aqui e sei que é algo muito emocionante na minha vida", afirmou o atacante, que na semana passada fez um "hat-trick" (três gols) na goleada do Real Madrid sobre o Galatasaray por 6 a 0, pela Liga dos Campeões da Europa.

Essa é a primeira vez no time principal, mas Rodrygo é presença constante em seleções de base - jogou o Sul-Americano Sub-20, em janeiro, no Chile, e também foi convocado para integrar a seleção sub-23, que se prepara para o Pré-Olímpico. O ex-jogador do Santos revelou que sabia da observação de Tite e da comissão técnica.

"Sei que o Tite me acompanha há bastante tempo. No começo sempre joguei mais do lado esquerdo e não conseguia ir bem no lado direito. Mas depois joguei bem pela direita e joguei por dentro também. Hoje não tenho posição preferida. Acho que faço bem todas no ataque. Antes só conseguia jogar bem pela esquerda", comentou.

Na entrevista coletiva, Rodrygo não teve como escapar de questões sobre comparações e preferências. Teve que responder, por exemplo, quem é melhor entre Messi e Neymar. "Eu fico aqui do lado do Brasil, com o Neymar", respondeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.