Twitter Oficial / S. C. Internacional
Twitter Oficial / S. C. Internacional

Em apresentação, Zeca festeja chegada ao Inter e diz: 'Quero virar ídolo aqui'

Apesar de saída conturbada, lateral diz sentir gratidão pelo Santos

Estadão Conteúdo

25 de abril de 2018 | 13h18

Sem jogar uma partida oficial desde outubro do ano passado, quando deixou o Santos e entrou em um grande conflito judicial com o clube, o lateral Zeca foi oficialmente apresentado como novo reforço do Internacional, nesta quarta-feira pela manhã, em Porto Alegre, onde festejou a oportunidade de poder vestir a camisa do time gaúcho e destacou que espera poder fazer história pela equipe colorada.

+ Treino do Internacional tem reforços e protesto de torcedores

+ Técnico do Inter critica arbitragem em derrota para o Palmeiras: 'Foi decisiva'

"Primeiramente, quero agradecer a todos do Inter que colaboraram para que eu pudesse vir para cá. Fico muito feliz e grato por todas as pessoas que permitiram que eu pudesse vir para cá. Fui muito bem recebido, nunca treinei tanto na vida como nestes cinco meses em que estive afastado do Santos e estou fazendo o possível para que eu possa atuar o mais rápido possível", afirmou o jogador no início de sua apresentação, pouco depois de vestir a camisa 37 com o seu nome nas costas - ele usava este mesmo número quando defendia a equipe santista.

Antes de ser apresentado ao lado do presidente do Inter, Marcelo Medeiros, Zeca participou de um treinamento tático comandado pelo técnico Odair Hellmann e admitiu a possibilidade de atuar como meio-campista quando estiver fisicamente pronto para estrear, caso o comandante opte por escalá-lo fora de sua posição original.

"Minha função é a de lateral. Joguei na base como meia e sou lateral de origem, mas, se for para ajudar o Inter, eu posso jogar no meio", disse o atleta, lembrando também que já conhecia Hellmann da época em que esteve junto com o profissional na seleção brasileira olímpica, assim como enfatizou: "Quero virar ídolo aqui".

Zeca também não deixou de reconhecer a importância fundamental do Santos para a sua carreira, embora tenha deixado a Vila Belmiro de forma conturbada e só conseguido ser contratado pelo Inter após o clube paulista ceder para poder continuar contando com o futebol do ex-atacante colorado Eduardo Sasha.

"Nos primeiros meses fora do Santos o meu intuito não era ficar seis meses sem jogar, mas algumas coisas não deram certo. Treinei muito, minha família sempre me apoiou e sempre tive a cabeça boa. Isso foi importante para eu crescer... E vou ser hipócrita se eu não tiver gratidão pelo Santos. De coração, sou muito grato, pois cheguei com 11 anos lá e fui formado como jogador lá", lembrou o jogador, que depois comemorou o acordo entre as partes.

"Na negociação, eu dou graças a Deus que o Sasha estava nos planos do Santos depois que ele começou a jogar bem, fazer gols, e o presidente do Santos (José Carlos Peres) topou fazer a troca. Quando recebi o telefonema do Inter, não pensei duas vezes e já topei. Estou muito feliz por poder voltar a jogar em um grande clube do futebol brasileiro", reforçou o lateral.

Como ficou treinando durante o seu período de afastamento, Zeca já poderá ficar à disposição de Hellmann para o jogo do próximo domingo, contra o Cruzeiro, às 19 horas, no Beira-Rio, pela terceira rodada do Brasileirão. Para poder atuar, ele espera apenas pela entrada do seu nome no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.