Em Assunção, jogo acaba com 2 mortes

Os torcedores do Olimpia não tiveram motivos para comemorar a festa de seu centenário, hoje, que acabou em tragédia. Após a derrota para o São Caetano por 1 a 0, na noite de quarta-feira, duas pessoas morreram e 50 ficaram feridas, em Assunção, incluindo vários brasileiros. Segundo informações da polícia de Assunção, um torcedor não identificado morreu na periferia da cidade após envolver-se em discussão com um fã do Cerro Porteño, equipe rival do Olimpia. Outro torcedor morreu atropelado nas imediações do Estádio Defensores del Chaco, depois de cair de um ônibus lotado e ter o corpo esmagado pelas rodas traseiras do veículo. Os integrantes da comitiva que acompanhou o São Caetano contaram que passaram por maus momentos no Paraguai. O presidente do clube, Nairo Ferreira de Souza, afirmou que um dos integrantes das caravanas foi atingido por uma garrafa e levou oito pontos na testa e outros sofreram ferimentos leves. "Não houve agressão física, mas os torcedores atiravam latas e garrafas o tempo todo. Chegavam a ferir até outros torcedores do próprio Olímpia e os jogadores do time", disse Antônio Neves, assessor do prefeito de São Caetano, Luiz Tortorello. Torcedores revelaram que tiveram de acompanhar o jogo em situação precária. O grupo que ficou nas arquibancadas passou a partida encurralado por fanáticos do Olimpia. Os brasileiros foram protegidos de agressões físicas apenas por uma barreira policial, que não conseguiu impedir o arremesso de objetos de todos os lados. Não foi providenciada uma área de escape caso houvesse tumulto. Os jogadores do São Caetano também não foram poupados. Durante o trajeto entre o Estádio Defensores del Chaco e o Aeroporto de Assunção, o ônibus que transportava a equipe foi alvo da revolta dos torcedores do Olimpia. "Eles apedrejaram nosso ônibus e acabaram quebrando um dos vidros. Para não termos mais problemas, resolvemos fechar todas as cortinas para que quem estivesse fora não pudesse nos reconhecer", contou o meia Anaílson, de certa forma conformado com o tratamento. "É sempre assim quando a gente joga lá fora." A confusão e a derrota tiraram muito do brilho da festa do centenário realizada na sede do Olímpia após o jogo, com queima de fogos e shows. A imprensa local ressaltou a postura apática do time da casa e o bom futebol apresentado pelo São Caetano. "O Olímpia apresentou uma paralisia geral. Em seu aniversário mastiga uma amarga derrota", escreveu o jornal El Diário. "Foi o pior presente de aniversário", destacou o ABC Color. O La Nación afirmou que o "São Caetano mostrou um jogo inteligente, movendo a bola pelas laterais e não apelando aos chutões, como fez o Olímpia." Mesmo assim, os jogadores da equipe paraguaios se mostram confiantes e prometem revanche na quarta-feira, no Pacaembu. "Perdemos a primeira metade, mas temos outro jogo no Brasil", declarou o técnico Nery Pumpido. Seu time precisa ganhar por dois gols de diferença para ficar com o título ou vencer por vantagem mínima para levar a decisão para os pênaltis. O goleiro Tavarelli lembra que o Olímpia mostrou em sua história ser capaz de superar adversidades. "Em 1979 ganhamos a Copa no La Bombonera (Argentina) e em 90 conquistamos o troféu em Guayaquil (Equador) diante do Barcelona."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.