Em Belém, Corinthians teme desmanche

O reinício de temporada e o fim da Copa do Mundo são promessa de dias agitados para Corinthians, que está disputando a Copa dos Campeões, em Belém. O clube conta com Carlos Alberto Parreira, um técnico que por seu prestígio e experiência internacional deve ser bastante cobiçado pelas seleções que pretendem desenvolver um novo trabalho para o próximo Mundial. Ao mesmo tempo, com a conquista do pentacampeonato é esperado um aumento de interesse dos clubes europeus pelos jogadores brasileiros, em especial os jovens que se destacam em grandes equipes. Os efeitos desta fase já podem ser sentidos no Corinthians. O volante Fabrício chamou a atenção dos dirigentes do Paris Saint-Germain, que manifestaram interesse na sua contratação. Ainda nesta semana, a imprensa portuguesa divulgou que Parreira integraria o grupo dos possíveis substitutos de Antônio Oliveira a serem analisados pela Federação Portuguesa. O mesmo está acontecendo com o preparador de goleiros Cantarelli, que é cotado para integrar a comissão técnica de Zico, a ser oficialmente anunciado como novo treinador da seleção do Japão nos próximos dias. O diretor de Futebol do Corinthians, Edvar Simões, diz que o clube não recebeu nenhuma proposta, mas está preparado para este período de "turbulência", que tende a se acentuar por causa da desvalorização constante do Real em relação ao Dólar. "Temos uma linha de continuar o nosso trabalho e sem preocupação com estas coisas", afirma. Segundo o dirigente, tal postura é fundamental para que a equipe não tenha o seu trabalho comprometido. Náutico - Enquanto as mudanças na composição de time e comissão técnica do Corinthians não se confirmam, o grupo segue a preparação para a segunda partida da Copa dos Campeões contra o Náutico, domingo. Na partida de estréia da competição, quarta-feira, o time empatou por 1 a 1 contra o anfitrião Paysandu. Enquanto Parreira não chega, o que deve acontecer somente na entre segunda e terça-feira, seu interino, Jairo Leal, trabalha para diminuir a ansiedade que prejudicou o time na estréia. "Acho que faltou um pouco de paciência, saber que se a jogada não deu certo de um lado, a gente tenta do outro, sem afobação." Para Leal, se o grupo tivesse adotado postura diferente contra o Paysandu, o time, que só deve contar com Ricardinho e Vampeta segunda-feira, poderia ter saído do Estádio Mangueirão com a vitória e liderança isolada do Grupo A. Náutico e Fluminense, os outros times do grupo, empataram sem gols. Os jogadores sabem que a partida contra o time pernambucano ganhou importância pois um novo empate ou derrota pode comprometer a classificação do Corinthians para a próxima fase. O atacante Gil acredita que o jogo contra o Paysandu serviu para mostrar algumas deficiências. "Tivemos alguns erros de passe e acho também que mostramos muita ansiedade em sair na frente. O erro foi visto e acho que temos condições de corrigir estes detalhes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.