Em boa fase, Ganso tenta se reinventar no São Paulo

Meia, principal jogador do time no pós-Copa, tenta encaixar jogo com Kaká

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

09 de agosto de 2014 | 07h00

SÃO PAULO - É voz corrente que o São Paulo do pós-Copa é uma equipe longe de ser confiável, fato comprovado pelos números discretos desde o retorno do Mundial. A boa notícia, no entanto, é que Paulo Henrique Ganso parece finalmente ter encontrado seu lugar no campo e tem sido a exceção aos altos e baixos do time. O meia tem se destacado com boas exibições, mas agora precisará se reinventar mais uma vez para formar dupla com Kaká na partida contra o Vitória, amanhã, no Morumbi.

Dos cinco jogos do Tricolor desde a retomada da temporada, o único em que Ganso não teve atuação destacada foi contra o Goiás, justamente quando teve que dividir o meio-campo com Kaká. Correu e se mexeu no Serra Dourada, mas ficou perdido e viu o companheiro comandar praticamente todas as ações da equipe.Agora, com um pouco mais de tempo para eles se entrosarem, a expectativa é que a dinâmica seja mais natural.

Muricy Ramalho tem dado liberdade para que Kaká e Ganso atuem por todas as faixas de campo e troquem de posição para confundir a marcação. São os próprios jogadores que definem como e quando mudar.

"Estamos buscando esse entrosamento nos treinos e jogos. Contra o Goiás foi legal e tudo que o Muricy tem passado e dando essa liberdade de movimentação, eu começo do lado direito e ele do esquerdo e depois trocamos", explicou Kaká.

Ganso subiu de produção quando passou a atuar um pouco mais recuado do que vinha fazendo anteriormente e deixou de “pisar na área” como Muricy pedia antes. Com Maicon ao seu lado, viu a bola passar muito mais por seus pés e ditou o ritmo da equipe. Sua posição em campo sempre foi tema de debates; no ano passado o holandês Seedorf chegou a dizer que Ganso não teria sucesso no futebol europeu  por não ser tão participativo nos jogos.

A dúvida agora é saber se a semana livre foi suficiente para acertar o posicionamento. “Estamos conseguindo aos poucos encontrar esses espaços e  não é muito  difícil porque o Ganso é um cara extremamente inteligente”, elogiou Kaká.

ÍDOLO

Uma motivação adicional para o camisa 10 manter as boas performances e se reinventar é o fato de atuar ao lado do seu ídolo de infância; Ganso nunca escondeu a admiração por Kaká e ficou emocionado quando, ao ser contratado em setembro de 2012, recebeu a camisa 8  que agora pertence novamente ao craque.

A pouca convivência já se transformou em admiração mútua. Ao ser questionado sobre jogar com um atleta que o tem como referência, Kaká não poupou elogios ao companheiro.

"Posso dizer que esse sentimento já é recíproco. Eu o  tenho como referência de bom jogador; é um cara fora de série e estou muito feliz em poder jogar ao lado dele."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.