Eduardo Verdugo/AP Photo
Eduardo Verdugo/AP Photo

Em Buenos Aires, Maradona é operado com êxito no joelho direito

Lenda do futebol mundial sofre com osteoartrite nas duas articulações, enfermidades que o fizeram pedir demissão do cargo de técnico no México

Redação, Estadão Conteúdo

24 de julho de 2019 | 21h18

Diego Maradona foi submetido, nesta quarta-feira, a primeira de duas cirurgias previstas por seus médicos e que o levaram a paralisar a carreira de técnico. O astro argentino foi operado do joelho direito em uma clínica no bairro de Olivos, no norte de Buenos Aires.

"Tudo saiu perfeito", escreveu Matías Morla, advogado do ex-jogador, em suas redes sociais. Amigos e familiares de Maradona estiveram no centro de saúde, que não divulgou nenhum boletim médico.

Maradona, de 58 anos, se demitiu do cargo de treinador do Dorados, de Sinaloa, time da segunda divisão do México, em junho, ao alegar que seus médicos lhe orientaram a fazer uma cirurgia no joelho e outra no ombro.

Depois de deixar Sinaloa, a mídia argentina chegou a publicar que Maradona sofreria do Mal de Alzheimer, o que foi imediatamente negado por Leopoldo Luque, neurologista do ex-capitão da seleção argentina. Segundo o médico, o craque sofre com dores para andar e dormir.

O campeão da Copa do Mundo de 1986 tem um histórico de longas internações por vários motivos. O episódio mais grave aconteceu em janeiro de 2000, quando sofreu uma crise cardíaca em um spa de Punta del Este, quando se tratava da dependência de cocaína.

Nos últimos anos, seus problemas de saúde foram associados à osteoartrite em seus dois joelhos, que destruiu sua cartilagem. Em abril deste ano, Maradona foi submetido a uma operação por causa de uma hemorragia estomacal, diagnosticada dias antes de exame de rotina.

Após as cirurgias, é previsto que Maradona volte a trabalhar no futebol. Morla não deu nenhuma pista, mas assegurou que o astro possui várias propostas de trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMaradona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.