Em carta, Blatter lamenta denúncia de suborno

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, enviou uma carta neste domingo para o Comitê Executivo da entidade lamentando as denúncias de que dois membros estariam negociando votos nas eleições das sedes da Copa do Mundo de 2018 e 2022.

AE, Agência Estado

17 de outubro de 2010 | 14h13

Preocupado com as acusações, Blatter reiterou que não poupará esforços na investigação, como já havia feito a própria entidade no sábado. E avaliou ainda que as denúncias deixaram um impacto muito negativo para a Fifa.

Uma denúncia feita pelo The Sunday Times acusa Amos Adamu, da Nigéria, e Reynald Temarii, presidente da Confederação de Futebol da Oceania, de pedirem dinheiro em troca do voto na eleição de dezembro das sedes da Copa. Os dirigentes foram flagrados pelos repórteres do jornal inglês, que se passaram por empresários norte-americanos.

"A informação veiculada pela notícia deixa um impacto muito negativo para a Fifa e para todo o processo de escolha das Copas de 2018 e 2022", lamentou Blatter. "A Fifa abrirá uma séria investigação, que começará imediatamente".

Quatro candidatos europeus concorrem para a Copa de 2018: Inglaterra, Rússia, Portugal/Espanha e Bélgica/Holanda. Para o Mundial de 2022, a disputa está entre Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul, Catar e Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.